Arquivos do Blog

Barman da Velocidade – Episódio 1 – Grande Prêmio de Mônaco

Olá galera! Estreio neste momento uma novidade: o Barman da Velocidade! Videocast estrelado por este escriba que vem para falar diretamente sobre os principais assuntos do esporte a motor. O tema de abertura fala sobre o GP de Mônaco realizado no domingo.

2015524144528_F1 Monaco Domingo 027_II

Peço perdão de antemão por eventuais erros, já que esta é a primeira tentativa. Obrigado a todos!

Assinem o canal no Youtube

Curtam a página no Facebook

Assuntos tratados no vídeo:
o Corrida tática
o Azar de Hamilton, sorte de Rosberg
o Renovação de Lewis
o Red Bull: ordens de equipe, ousadia do Ricciardo e “estreia” do Kvyat
o Punição para Alonso e não para Ricciardo
o Williams em dia para se esquecer!
o Ímpeto de Max Verstappen e os riscos da F1
o Verstappen punido corretamente… mas o Grosjean não freou cedo demais?
o Nasr nos pontos
o McLaren nos pontos, com Button
o Galvão Bueno X Rádios: a tal da falta de sensibilidade
o Mônaco é especial e ponto!

Músicas:
Music “DollHeads” by Ivan Chew
Available at ccMixter.org http://dig.ccmixter.org/files/ramblin…
Under CC BY license http://creativecommons.org/licenses/b…

Music “Drive” by Alex Berosa featuring cdk & Darryl J
Available at ccMixter.org http://dig.ccmixter.org/files/AlexBer…
Under CC BY license http://creativecommons.org/licenses/b…

Music “Hidden Blues” by Pitx featuring rocavaco
Available at ccMixter.org http://dig.ccmixter.org/files/Pitx/27007
Under CC BY license http://creativecommons.org/licenses/b…

Music “Kokokur” by Pitx
Available at ccMixter.org http://dig.ccmixter.org/files/Pitx/15328
Under CC BY license http://creativecommons.org/licenses/b…

Music “Zest” by Basematic featuring Urmymuse
Available at ccMixter.org http://dig.ccmixter.org/files/basemat…
Under CC BY license http://creativecommons.org/licenses/b…

Pintando o sete: Corridas legais que não são tão lembradas

Olá pessoal! Inicio hoje uma nova coluna aqui neste humilde blog. O nome, como puderam perceber, chama-se Pintando o sete. Nesta coluna irei relembrar sete situações que possuem efemérides semelhantes no mundo do automobilismo. Este era um velho projeto que tinha em mente. Quase adotei em outro espaço, mas vejo que é interessante coloca-lo por aqui.

O artigo de hoje tratará sobre corridas muito boas da história da F1, mas que acabaram bem esquecidas pelo tempo. Mesmo blogs e sites que tratam do lado mais “underground” da F1 pouco espaço deram para estas provas. A ordem das corridas está pelo ano e não pela minha classificação pessoal. Caso ache que haja mais alguma interessante que poderia ter sido mencionada, deixe nos comentários no final deste texto bíblico.

Portanto peguem carona no Delorean e relembrem essas etapas interessantes. Vamos lá!

Leia o resto deste post

I will survive (on the race)

Salve galera! O GP de Mônaco teve uma primeira parte chata demais, mas a partir da metade, a coisa melhorou e o final foi até que empolgante. Quem foi o responsável por isso? Acredito que foram os pilotos, que na primeira parte se portaram como mariquinhas e que não se atacaram até a janela de pit-stops, mas a partir disso e do primeiro safety-car a coisa mudou, o que significa que Monte Carlo não é só procissão. Basta querer atacar.

“Hoje eu arrasei!”

Quem não deu nenhuma margem para ataque foi Nico Rosberg. O alemão segurou a ponta em todos os momentos e venceu com maestria. Iguala o feito do pai, há trinta anos (é o primeiro filho de piloto a fazer isso), e finalmente consegue convencer que pode ser mais do que um mero “1B” na Mercedes. Afinal nas últimas corridas tem botado a banca em cima de Lewis Hamilton e mostra que com um carro vencedor, vai dar trabalho aos rivais.

Quem não tinha um carro vencedor hoje, mas sai do principado feliz é a turma dos energéticos. Sebastian Vettel e Mark Webber fecharam o pódio e somaram pontos importantíssimos para a equipe e os pilotos no campeonato. Vettel se aproveitou do infortúnio dos rivais mais próximos e abre uma vantagem bem confortável para o segundo colocado. razão para reclamação não há para os rubrotaurinos. (exceto esse teste de pneus da Mercedes que foi descoberto hoje, mas falarei disso mais tarde)

O quinto colocado foi uma grata surpresa. Adrian Sutil conseguiu o resultado que lhe escapou cinco anos atrás. O alemão sempre esteve na zona dos pontos e mostrou a agressividade na medida certa. Com direito a duas ultrapassagens na Loews, foi o destaque positivo da corrida.

Jenson Button fez uma corrida burocrática, perdeu posições e deve estar enfezado com seu companheiro de equipe por causa da atitude dele. mesmo assim salvou um sexto lugar bem razoável, ainda à frente de Fernando Alonso. O espanhol teve uma corrida bem fraca  e em algumas vez foi o responsável pelo trenzinho. terminou em sétimo, mas podia ser pior.

Vergne: Bela homenagem e boa corrida

Jean-Eric Vergne fez uma corrida honesta e contou com a sorte para somar mais quatro pontinhos. A sua homenagem a Francois Cevert foi digna. Paul di Resta foi outro com corrida digna. Antecipou a parada e fez ultrapassagens na zona de DRS, foi subindo e fez mais dois pontos. A Force India sai bem do circuito monegasco.

O décimo lugar pode não valer muita coisa, mas para Kimi Raikkonen, foi algo épico. O finlandês andou a corrida inteira em quinto, até que teve Sergio Perez ao seu encalço. O mexicano fazia uma excelente corrida com uma bela passada em Button e uma posição ganha em cima de Alonso por cortar a chincane do porto. No mesmo ponto das manobras anteriores, o piloto da McLaren tentou e os dois vazaram a curva, gerando reclamação do Matias, mas faltando seis voltas para o fim, Perez tentou de novo onde não tinha espaço e arrebentou o pneu da Lotus e detonou sua asa.

Perez: de bestial a besta

Kimi teve que ir para os boxes e voltar lá atrás, enquanto o Chesperito parava de vez com problemas decorrentes do choque. Raikkonen foi com tudo e fez cinco ultrapassagens nas últimas quatro voltas, sendo três na última volta e manteve a sequência de 23 corridas nos pontos, estando a uma de igualar o recorde de Michael Schumacher. Se ele conseguir, ele merce, ainda mais depois de hoje.

Começamos agora com a turma do bonde. Primeiro foi Felipe Massa, que repetiu na prova a mesma batida na classificação e causando o primeiro safety-car. De quebra teve que ir para o centro médico com colar cervical e tudo, mas aparentemente nada de grave para ele. Se fisicamente está tudo ok, moralmente foi uma bela ducha de água fria para o brasileiro.

Outro em fim de semana daqueles foi Pastor Maldonado. Na largada, o venezuelano se estranhou com Giedo van der Garde e ficou para trás, conseguiu chegar no pelotão, mas terminou a sua participação na corrida em “grande estilo” sendo catapultado por Max Chilton, destruindo a barreira de pneus  e quase interditando a curva da tabacaria, sobrando destroços para o pobre Jules Bianchi (a princípio erroneamente recriminado por muitos pela bobagem de seu companheiro de equipe). A corrida foi paralisada por alguns momentos para o reparo.

Maldonado em um dia normal

Para completar a zica do francês queridinho de muitos, que teve motor quebrado na classificação, ficou parado na larga e pegou a rebarba do bolivariano, ainda bateu na Saint Devote um pouco parecido com os acidentes de Massa. Coincidentemente, o trio é empresariado por Nicolas Todt, o filho do presidente da FIA. Esse teve um dia daqueles.

Um outro francês (não tão querido assim) resolveu entrar na festa. Romain Grosjean, que havia batido três vezes durante os treinos, estava quietinho no seu canto até encher a traseira de Daniel Ricciardo na saída do túnel e arruinar ambas as corridas. Uma atuação a lá Grosjean.

Bom, tudo aqui sobre a corrida está dito. Daqui há duas semanas a Fórmula 1 vai ao Canadá, para uma corrida que promete ser movimentada, na medida que Montreal costuma proporcionar. Até lá a Pirelli deve finalmente colocar pneus novos, que possam durar mais e melhorar a qualidade das corridas. O problema é se alguém tiver mais privilégios, como o teste secreto da Mercedes após a corrida de Barcelona, que só foi descoberta hoje por todo mundo. A Ross Racing pode ter dado o golpe de mestre na turma toda e a história da Fórmula 1 pode ser outra daqui para frente. Aguardemos os próximos capítulos.

Para quem gosta de automobilismo, boa 500 milhas para todos (e quem tiver fôlego, boa Coca-Cola 600 também) Abraço!

1º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 78 voltas
2º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) a 3s8
3º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) a 6s3
4º. Lewis Hamilton (ING/Mercedes) a 13s8
5º. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes) a 21s4
6º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) a 23s1
7º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) a 26s7
8º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) a 27s2
9º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) a 27s6
10º. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) a 36s5
11º. Nico Hulkenberg (ALE/Sauber-Ferrari) a 42s5
12º. Valtteri Bottas (FIN/Williams-Renault) a 42s6
13º. Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber-Ferrari) a 43s2
14º. Max Chilton (ING/Marussia-Cosworth) a 49s8
15º. Giedo van der Garde (HOL/Caterham-Renault) a 1min02s5
16º. Sergio Pérez (MEX/McLaren-Mercedes) a 6 voltas
Abandonaram
Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) na 64ª volta
Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) na 62ª volta
Jules Bianchi (FRA/Marussia-Cosworth) na 59ª volta
Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) na 45ª volta
Felipe Massa (BRA/Ferrari) na 29ª volta
Charles Pic (FRA/Caterham-Renault) na 8ª volta

Melhor volta: Sebastian Vettel (Red Bull-Renault) 1:16.577 (volta 77)

Nunca quebrar a banca ficou tão fácil

Fala, meu povo! O domingo promete com um super fim de semana de automobilismo. A Fórmula 1 chega ao principado de Mônaco para mais uma corrida, que pode não ser uma romaria como nos outros anos. Mas se for, pode acontecer um pega interessante por causa de quem está na frente e a corrida fica com muitas possibilidades abertas. Ainda mais se chover, como na classificação.

Rosbife tem a pole que, enfim, parece importante

Quem vislumbra uma grande oportunidade de vencer é a Mercedes. Nico Rosberg abocanhou a sua terceira pole seguida e novamente terá Lewis Hamilton ao seu lado. Como a pista é a menos abrasiva da temporada, o W03 pode aguentar mais no consumo de pneus e com isso pode sair de Monte Carlo com a vitória.

Para isso, tem que segurar os seus rivais. A Red Bull fez a segunda fila, ficando acima de Ferrari e Lotus. Pela mesma situação da Mercedes, Sebastian Vettel tem a chance de aproveitar isso e  manter a liderança do campeonato. E Mark Webber se mantém no páreo para vencer pela terceira vez no principado.

Kimi Raikkonen sai de quinto lugar, com uma classificação apenas razoável, como tem sido todo ano. Se conseguir economizar os pneus o suficiente para fazer uma parada, pode dar o pulo do gato e vencer a corrida. Vale lembrar que mesmo com o DRS, ultrapassar nas ruas de Mônaco não será fácil.

Por causa disso, a Ferrari termina o dia lamentando muito. Fernando Alonso tinha potencial para sair no mínimo em terceiro, mas acabou em sexto, atrás dos principais rivais no campeonato. Para piorar as coisas, tem seu principal aliado partindo dos boxes. Felipe Massa bateu de modo estranho no último treino livre e a equipe não conseguiu consertar o carro a tempo, e mesmo que conseguisse, ainda perderia cinco posições pela troca de câmbio. A situação é mesma que o espanhol enfrentou três anos atrás. Alonso conseguiu pontuar. Será Massa capaz de chegar lá?

Na quarta fila, dois pilotos subestimados e que conseguiram se dar bem. Sergio Perez está bem colocado e mais uma vez parte na frente de Jenson Button, o nono colocado. Adrian Sutil está entre os carros da McLaren, na busca por uma recuperação na disputa interna da Force India. Aproveita a chance de ser o nome da equipe na prova, por causa do problema de Paul di Resta, que caiu no Q1, junto com o sempre decepcionante Esteban Gutierrez, e com três das nanicas.

O sobrevivente do Q2 foi o holandês Giedo van der Garde. O piloto da Caterham aproveitou bem a situação de pista úmida e conseguiu passar de fase. E quase aprontou no Q2, onde fez voltas boas e chegou a frequentar o top ten, mas terminou em 15º, ainda na frente de Pastor Maldonado. Um resultado para ser celebrado por Tony Fernandes.

Estamos conversados. Amanhã a corrida pode ser boa, já que não será tão fácil de ultrapassar e as “artificialidades” não serão tão efetivas no resultado final. A chuva que caiu hoje, não deve acontecer na etapa, o que significa que os pneus serão a chave da vitória mais uma vez. Ou não.

“E agora???”

Abraço!

1º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 1min13s876 31
2º. Lewis Hamilton (ING/Mercedes) 1min13s967 31
3º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) 1min13s980 29
4º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) 1min14s181 30
5º. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) 1min14s822 31
6º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) 1min14s824 32
7º. Sergio Pérez (MEX/McLaren-Mercedes) 1min15s138 31
8º. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes) 1min15s383 29
9º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) 1min15s647 29
10º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) 1min15s703 29
 Eliminados no Q2
11º. Nico Hulkenberg (ALE/Sauber-Ferrari) 1min18s331 22
12º. Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) 1min18s344 23
13º. Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) 1min18s603 13
14º. Valtteri Bottas (FIN/Williams-Renault) 1min19s077 22
15º. Giedo van der Garde (HOL/Caterham-Renault) 1min19s408 21
16º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) 1min21s688 22
 Eliminados no Q1
17º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) 1min26s322 14
18º. Charles Pic (FRA/Caterham-Renault) 1min26s633 13
19º. Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber-Ferrari) 1min26s917 12
20º. Max Chilton (ING/Marussia-Cosworth) 1min27s303 13
21º. Jules Bianchi (FRA/Marussia-Cosworth) sem tempo 1
22º. Felipe Massa (BRA/Ferrari) sem tempo 0

Corra que o comissário vem aí!

O lance polêmico

Bem pessoal, uma das principais polêmicas nas rodas de discussão de automobilismo esta semana foi sobre a punição do Bruno Senna no GP da Europa, depois do toque de Kamui Kobayashi, que teve a acusação de que houve uma certa decisão tendenciosa da direção de prova, que tinha como piloto convidado como comissário, o finlandês Mika Salo, crítico do brasileiro e defensor do piloto de testes da Williams, Vatteri Bottas.

Bom, não vou entrar no mérito da discussão se a atitude foi premeditada ou não, nem questionar quem foi o culpado do acidente, pois o lance foi controverso, há as correntes que achem culpa do Japa, outros que foi culpa do Primeiro-Sobrinho, os que acham que foram os dois e até os que acham um acidente de corrida. Não há um consenso e o benefício da dúvida faz com que qualquer decisão seja considerada plausível.

Mas o mais intrigante é como  essa suspeita que recai sobre a organização. Se não se lembram bem, não foi a primeira vez que o tal comissário convidado já passou por esta saia-justa. No GP de Mônaco de 2010, Michael Schumacher foi punido por passar Fernando Alonso durante bandeira amarela. A corrida estava na última volta em safety-car, que saiu na hora da quadriculada.

A polêmica de 2010

Mas na última curva tinha uma bandeira verde acenada. Schumi se aproveitou e passou o espanhol, mas foi punido com 20 segundos e perdeu os pontos da corrida. O comissário em questão era Damon Hill, contemporâneo do alemão. O filho do Graham chegou até a receber ameaças de torcedores do heptacampeão, sendo acusado de tentar prejudicar seu ex-rival, como uma vingança pela batida que lhe tirou o título de 1994, na corrida da Austrália.

Essa questão de colocar ex-pilotos para ajudar nos julgamentos dos lances polêmicos soou como uma boa iniciativa da FIA à princípio. No entanto. as pessoas não imaginam que este sujeito não é o único a decidir sobre os lances polêmicos, mas acaba sendo sendo responsabilizado pela decisão tomada.

 

Salo em ação pela Tyrrell

No caso do finlandês, o que pesa contra é seu histórico. Como piloto teve uns bons momentos, mas nunca foi capaz de despertar a confiança das equipes, mesmo com uma passagem pela Ferrari, na época em que Michael Schumacher esteve no estaleiro com a perna quebrada. Como lembrou o Leandro Verde, o ex-piloto não era  querido no paddock, muito por conta da língua afiada. Como defensor mor do jovem escandinavo, acabou taxado como um “detrator da concorrência dos corredores da nação”.

Não acredito numa atitude dessas, primeiro que, como disse antes, a decisão não é só de uma pessoa. Há uma comissão que analisa os lances e determina se não há essas punições. Além disso, a manobra dos envolvidos (Kobayashi e Senna) teve opiniões diferentes de vários críticos. Portanto o benefício da dúvida é plausível.

Agora, a FIA poderia rever esse sistema penal e a convocação de ex-pilotos para auxiliarem. Na minha visão, essa discordância pode prejudicar a credibilidade da categoria, pois uma picuinha do passado pode ser argumentada como razão de uma punição pela mídia e dar margem a dúvida sobre a idoneidade do evento. Talvez assim acabemos com certas “maldades” nas opiniões dos analistas.

E o que vocês acham? Cartas para a redação! Abraço!

%d blogueiros gostam disto: