Arquivos do Blog

Sim, ele venceu!

É verdade!

(Atualizado em 17/12, às 19:10)

Pois, é pessoal, hoje foi um dia de grandes acontecimentos na escala esportiva. Mas aqui por ser um blog de automobilismo, vamos destacar o feito do dia, que ocorreu em Bangcoc, na Tailândia. A edição desse ano da Corrida dos Campeões (Race of Champions, ou RoC, como queiram) teve pela primeira vez um piloto da Fórmula 1 como campeão. Mas para espanto geral de todos, o cara a quebrar a sina foi o senhor Romain Grosjean. Sim, foi ele mesmo!

E ganhou com propriedade. Na primeira fase passou em segundo lugar na sua chave, ficando atrás do veterano, até mesmo do evento, Michael Schumacher, deixando para trás o campeão da Indy, Ryan Hunter-Reay e o japonês Kasuya Oshima, da Super GT nipônica.

Dupla alemã conquistou o hexa nas equipes, mas sucumbiu ao franco-suíço no individual

Nas quartas de final, ninguém apostaria muito nele, contra Sebastian Vettel. A dupla teutônica estava sobrando e levou com o pé nas costas o campeonato de equipes, em cima da dupla francesa formada pelo Groselha e pelo piloto de rali Sebastian Ogier, que defendia o título individual neste ano. E a tendência era que o troféu ficasse entre os alemães.

Mas aí o franco-suíço fez algo que Fernando Alonso tentou na temporada de Fórmula 1 e falhou: Desestabilizar Vettel. O piloto da Lotus fez a primeira volta mais rápido e no desespero, o tricampeão bateu nas barreiras de isopor e viu o sonho da conquista inédita ruir.

Na semifinal, o Groselha não se intimidou com o heptacampeão, que não havia perdido uma bateria até então e deixou o Queixudo com cara de tacho, indo para final e tirando os germânicos da parada.

O adversário era Tom Kristensen, oito vezes vencedor de Le Mans, que já foi fiscal de GP na F1 (será que ele participou de alguma punição ao Grosjean? se alguém pesquisar agradeço) e que foi soberano até a final, despachando Ogier e o bon-vivant David Coulthard e buscava o primeiro título, depois de três vices.

Mas o Groselha não deu chances na decisão, Na melhor de três, venceu os dois primeiros e pôde comemorar essa vitória, Já o dinamarquês acumula o quarto vice. Vai virar motivo de piada, se nos próximos anos não emplacar uma, até porque  talento não falta.

Voltando ao vencedor, essa foi a primeira vez que um piloto que está disputando uma temporada de F1 foi vencedor do RoC. Entre pilotos com passagem na F1, apenas Heikki Kovalainen, em 2004, conseguiu vencer, mas isso bem antes dele chegar lá. Então foi um feito histórico, algo que não está no currículo, nem de Schumacher, nem de Vettel, nem de nenhum outro piloto que passou ou que corre atualmente na categoria, exceto o Kova.

Lembrem da primeira foto, não dessa aqui, OK?

E essa conquista vem em grande momento para a autoestima do Groselha. OK, é uma corrida que não tem nenhum valor técnico, mas dá aquela injeção de ânimo, ainda mais depois de um ano cheio de problemas que teve. Sendo que ainda há a vaga na Lotus sendo discutida e o risco de desemprego é real. Certamente, o resultado de hoje não vai influenciar em nada, mas como a equipe inglesa conseguiu alguns acordos de patrocinadores e terá dinheiro em caixa, sem a necessidade de ter um piloto pagante, a maré está a favor de Romain.

Bom, é isso, fiquem com a final da Corrida dos Campeões. E saudações corintianas a todos! (não podia deixar passar 😉 ) Abraço!

ATUALIZAÇÃO: E parece que o fim de ano do Grosjean não poderia ficar melhor. A Lotus confirmou hoje a renovação de seu contrato e ele continuará em Einstone por mais um ano. Que agora, capriche mais nas largadas e evite o pânico nos outros 21 pilotos que alinharem em 2013.

P.S. Também hoje saiu uma carta aberta de Kamui Kobayashi, anunciando que não correrá em 2013 por não ter condições financeiras de assumir um assento na F1. Uma pena. Quem sabe se algum afortunado ganhar na loteria e achar uma vaguinha em cima da hora… Mas o jeito é torcer para 2014

Fórmula 1, não posso parar de te amar!!!

Grande trabalho, galera. Vocês fizeram um grande campeonato!!!

Não há outras palavras para descrever o GP Brasil. Uma das corridas mais sensacionais de todos os tempos. Um final digno da temporada que foi uma das melhores da história. Algo que Hollywood não poderia escrever melhor. É a despedida do certame sensacional. A chuva foi a aliada, caindo na medida certa e na hora certa das emoções. Se acham que exagero, perguntem a Nelson Piquet, o mestre de cerimônias no pódio de hoje.

O vencedor foi o simpático Jenson Button. A vitória veio meio que na sorte, mas o britânico teve a competência para se manter com slick no aperto do começo da prova e contou com o enrosco entre Lewis Hamilton e o surpreendente Nico Hulkenberg. Para Lewis, o fim da corrida foi o fim da sua era em Woking, sendo bem aplaudido nos boxes. mas a vitória deu um alento para a McLaren, que teve o carro mais rápido em muitos momentos, mas os acasos não a deixaram nem com o vice-campeonato.

A Ferrari conseguiu o vice nos construtores e nos pilotos. Fernando Alonso se aguentou o quanto pode e andou no ritmo que a Ferrari lhe permitia. Mas o segundo lugar não lhe foi o suficiente para fazer o caneco. É de fato muito injusto ele ficar sem a taça pelo nível de seu talento e nunca desistiu, lutou até o fim. Caiu em pé! Mas como só um pode ganhar, a dama do destino não quis assim. Fica para 2013.

Felipe Massa fechou bem a temporada. O brasileiro fez uma super largada, chegando a ficar em segundo, depois sofreu com os pneus, teve que fazer duas paradas quase que seguidas, mas se recuperou bem e andou num bom ritmo. Só não subiu mais, pois tinha de ajudar Alonso. Mas o terceiro lugar, um pódio em casa, é mais um grande resultado, simbolizando o bom final de campeonato que fez. Chorou no pódio e bateu no peito, como em 2008. Saiu de bem com todo mundo no autódromo.

Mark Webber ficou em quarto lugar, numa corrida sem brilho, com rodada e alguns problemas. Com isso fechou o ano em sexto lugar, bem longe de fazer qualquer ameaça na briga pelo título, como chegou a se pensar na metade do ano.

Já o Hulk fez uma bela corrida. Assumiu a terceira posição a partir da segunda volta e ficou no ritmo das McLaren. Passou Button por fora no S do Senna, assumindo a liderança e dominou a maior parte da prova. Com o retorno da chuva, o alemão deu uma escapada e perdeu a ponta para Hamilton, tentou recuperar enquanto o inglês estava enrolado com os retardatários e na tentativa, o piloto de Force India escorregou e tirou o campeão de 2008 da disputa. Tomou uma punição mas ainda somou pontos consistentes para a equipe.

Não é qualquer um para montar no Touro Vermelho

E chegamos ao principal personagem da corrida. Sebastian Vettel viveu uma epopeia. Levou um toque de Bruno Senna e rodou. Voltou em último, foi galgando posições e em poucas voltas voltou a zona de pontuação. Tomou alguns sustos, como a perda de parte da asa na metade da corrida, decorrência do toque, além de disputas ferrenhas com Kamui Kobayashi. Segurou a sexta posição. O safety-car causado por Paul di Resta na penúltima volta, depois de bater no Café, foi o alívio definitivo e o começo da festa da turma dos energéticos.

Vettel é o mais jovem tricampeão da história. Agora ele faz parte de um clube, com Jack Brabham, Jackie Stewart, Niki Lauda, Nelson Piquet e Ayrton Senna. Podem falar que é o carro com treta e tudo, é o Adrian Newey (tudo bem que o cara é gênio nas pranchetas), mas o fato é que o alemão corresponde na pista. Bem-vindo ao clube dos gênios, Sebastian!

Em sétimo, a posição que remete a quantidade de títulos na carreira, ele: Michael Schumacher. E ele até fez uma corrida de despedida interessante. Teve os velhos problemas de pneus, levou algumas ultrapassagens, mas fechou pontuando e sem cometer excessos. Foi uma despedida boa, se levar em conta a segunda passagem, E a título de curiosidade, o pódio da primeira despedida, em 2006 foi exatamente com Button, Alonso e Massa (não nessa ordem, já que a corrida daquele ano foi vencida pelo Felipe).

O oitavo lugar foi de Jean-Eric Vergne, somando mais pontinhos para a Toro Rosso e sendo mais eficaz que seu companheiro Ricciardo, apesar do australiano ser mais constante. Os dois ainda quase se enroscaram no começo da prova, mas no fim o francês teve uma melhor tática de pneus e terminou entre os dez primeiros.

O nono posto foi pouco para a corrida do mito Kamui Kobayashi. O japa andou de igual para igual até mesmo com os postulantes ao título trocando ultrapassagens com Alonso e Vettel. No final, tentou passar Schumacher e levou a pior. Somou dois pontos nesta que pode ser sua última corrida na Fórmula 1. tomara que os deuses do automobilismo permitam que haja verba suficiente de patrocinadores para colocá-lo no grid em 2013, de preferência na Force India, que é o melhor lugar disponível.

O último pontuável foi Kimi Raikkonen, que teve uma corrida muito estranha. Rodou e escapou algumas vezes. Uma muito comédia, inventando um novo caminho usando o velho traçado. Ainda somou um ponto, fechando a temporada num excelente terceiro lugar e terminando todas as corridas. Uma ótima marca no seu retorno.

Fora dos pontuáveis, batalha tensa e o 11º lugar de Vitaly Petrov garante além do melhor resultado da história da Caterham, garante a décima posição nos construtores para a equipe de Tony Fernandes, ficando à frente de Charles Pic por muito pouco. Pic, que estará na equipe verde a partir de 2013, enquanto a segunda vaga ainda está disputada por 237 pilotos diferentes.

Da turma que abandonou, além de Hamilton, ficou o Primeiro-Sobrinho, que quase arrancou Vettel da prova e deu o caneco para Alonso, junto com Sergio Perez, colhido na encrenca e terminando a temporada zerando em todas as provas depois que assinou na McLaren. Pastor Maldonado também se achou na primeira volta, embora a TV não tenha notado e Romain Grosjean achou os pneus na Junção, para confirmar a fama dos dois.

Bom é isso. Foi-se mais um ano e mais um campeonato. Que irá entrar para a história da Fórmula 1 como um dos melhores de todos os tempos. E a corrida final foi a representação desse ano. Espero que todos tenham curtido a nossa cobertura e em 2013 vem mais. Parabéns a todos que estão aqui e até 17 de março de 2013, com o GP da Austrália!

(P.S. Mas não deixem de frequentar o blog, pessoal, tem muito mais coisa a se falar durante a Silly Season e teremos muita coisa para falar, além da premiação do FUFA Awards 2012!!!)

Beijos e abraços!

1 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes): 1h45m22s656 (71 voltas)
2 – Fernando Alonso (ESP/Ferrari): a 2s754 (71)
3 – Felipe Massa (BRA/Ferrari): a 3s615 (71)
4 – Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault): a 4s936 (71)
5 – Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes): a 5s708 (71)
6 – Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault): a 9s453 (71)
7 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes): a 11s907 (71)
8 – Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari): a 28s653 (71)
9 – Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari): a 31s250 (71)
10 – Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault): a 1 volta (70)
11 – Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault): a 1 volta (70)
12 – Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth): a 1 volta (70)
13 – Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari): a 1 volta (70)
14 – Heikki Kovalainen(FIN/Caterham-Renault): a 1 volta (70)
15 – Nico Rosberg (ALE/Mercedes): a 1 volta (70)
16 – Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth): a 1 volta (70)
17 – Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth): a 2 voltas (69)
18 – Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth): a 2 voltas (69)
19 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes): a 3 voltas (68)

Não completaram:
20 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes): 54 voltas
21 – Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault): 5 voltas
22 – Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault): 1 volta
23 – Bruno Senna (BRA/Williams-Renault): 0
24 – Sergio Perez (MEX/Sauber-Ferrari): 0

Volta mais rápida: Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) 1:18.069 (38)

Campeonato de pilotos (final)

1. Sebastian Vettel 281
2. Fernando Alonso 278
3. Kimi Raikkonen 207
4. Lewis Hamilton 190
5. Jenson Button 188
6. Mark Webber 179
7. Felipe Massa 122
8. Romain Grosjean 96
9. Nico Rosberg 93
10. Sergio Perez 66
11. Nico Hulkenberg 63
12. Kamui Kobayashi 60
13. Michael Schumacher 49
14. Paul di Resta 46
15. Pastor Maldonado 45
16. Bruno Senna 31
17. Jean-Eric Vergne 16
18. Daniel Ricciardo 10
19. Vitaly Petrov 0
20. Timo Glock 0
21. Charles Pic 0
22. Heikki Kovalainen 0
23. Jerome D’Ambrosio 0
24. Narain Karthikeyan 0
25. Pedro de la Rosa 0

Campeonato de construtores (final)

1. Red Bull-Renault 460
2. Ferrari 400
3. McLaren-Mercedes 378
4. Lotus-Renault 303
5. Mercedes 142
6. Sauber-Ferrari 126
7. Force India-Mercedes 109
8. Williams-Renault 76
9. Toro Rosso-Ferrari 26
10. Caterham-Renault 0
11. Marussia-Cosworth 0
12. HRT-Cosworth 0

Disputas em corrida (final)

Disputas em Corrida

Vettel 13 X 7 Webber
Button 9 X 11 Hamilton
Alonso 18 X 2 Massa
Schumacher 11 X 9 Rosberg
Raikkonen 17 X 2 Grosjean
Raikkonen 1 X 0 D’Ambrosio
Di Resta 9 X 11 Hulkenberg
Kobayashi 10 X 10 Perez
Ricciardo 11 X 9 Vergne
Maldonado 9 X 11 Senna
Kovaleinen 10 X 10 Petrov
De la Rosa 15 X 4 Karthikeyan
Glock 13 X 7 Pic

Passou reto Mansell!!! (feeling)

E foi-se Alonso!

E esse Grande Prêmio do Japão ficará na história da Fórmula 1. A corrida em si não foi tão emocionante, mas em termos de resultado, a coisa ficou bem mais divertida. Para começar, Fernando Alonso foi o grande perdedor parando na primeira curva. Sebastian Vettel não deu chances a ninguém e, com direito a um Grand Chelém e encostou de vez no asturiano, abrindo grandes chances do tricampeonato.

O espanhol tentou colocar por fora e espremeu Kimi Raikkonen. O finlandês retardou a freada e tocou no pneu da Ferrari nº 5 e rodou na primeira curva ficando no meio do caminho. Na mesma curva, Romain Grosjean aprontou de novo tocando em Mark Webber e na encrenca sobrou para Nico Rosberg. Bruno Senna teve uma largada a lá Maldonado e também quebrou o bico. A FIA deu 10 segundos de stop-and-go para o francês e um drive-trough ao Primeiro Sobrinho.

Vettel sumiu na frente, liderou de ponta a ponta, com volta mais rápida e a pole. É o segundo Grand Chelém da carreira do alemão, igualando  Juan Manuel Fangio (aliás igualou o número de vitórias do argentino) Jack Brabham e Mika Hakkinen nesse ranking. E a diferença para Alonso caiu para míseros quatro pontos. O campeonato abre-se de vez.

Um brinde!!!

Apesar de ser uma prova bem monótona, o pódio foi sensacional. No segundo lugar veio Felipe Massa, acabando com uma seca de 35 GP’s. Um resultado para garantir a moral suficiente para e manter na Estaberria de Maranello. A empolgação foi tanta, que ele acabou chutando a garrafa de champanhe e derrubando todo o líquido. Com certeza o  Kimi daria uma bronca…

E fechando o pódio Kamui Kobayashi fez a festa da japonesada em Suzuka. Pulou em segundo na largada e controlou o ritmo sempre andando nesse ritmo.  No fim da prova, sofreu pressão de Jenson Button, mas controlou bem o impeto da McLaren e conseguiu o inédito terceiro lugar. Um japonês subindo ao pódio em casa, só com Aguri Suzuki 22 anos atrás naquela histórica corrida. A torcida gritou “KAMUI” a plenos pulmões num espetáculo sensacional.

Raikkonen seguiu o ritmo normal e foi o quinto colocado, sem incomodar ninguém. Lewis Hamilton fez uma corrida muito apática, foi pressionado boa parte da prova por Nico Hulkenberg e ficou num modesto sexto lugar. A cabeça deve estar no novo emprego.

A equipe de Working deve estar em sinal de alerta. Pois o desempenho aquém do esperado da dupla e o seu futuro empregado Sergio Perez passou reto no hairpin ao tentar passar Lewis. Martin Withmarsh deve estar coçando a cabeça…

Pastor Maldonado chegou aos pontos pela primeira vez desde a vitória em Barcelona. O resultado e a atuação do venezuelano mostram que este amadureceu e tem escapado dos problemas. Assim as coisas fluem naturalmente.

Webber ainda se recuperou e chegou em nono, depois de escapar das encrencas do grid. O décimo ficou para Daniel Ricciardo, que segurou a pressão de Michael Schumacher nas voltas finais. Mais um pontinho ao australiano, que se saiu melhor mais uma vez que seu companheiro Jean-Eric Vergne.

Bom, é isso. O próximo GP é semana que vem, de novo plantão da madruga na Coreia do Sul. Enquanto isso, hoje é dia de eleição, então caprichem no voto para dar uma melhorada neste Brasil Varonil. Abraço!

1 – Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) – 1h28m56s242
2 – Felipe Massa (BRA/Ferrari) – a 20s639
3 – Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) – a 24s538
4 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) – a 25s098
5 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) – a 46s490
6 – Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) – a 50s424
7 – Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes) – a 51s159
8 – Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) – a 52s364
9 – Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) – a 54s675
10 – Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) – a 1m06s919
11 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – a 1m07s769
12 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) – a 1m23s400
13 – Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) – a 1m28s600
14 – Bruno Senna (BRA/Williams-Renault) – a 1m28s700
15 – Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) – a 1 volta
16 – Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault) – a 1 volta
17 – Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth) – a 1 volta
18 – Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault) – a 1 volta
19 – Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth) – a 1 volta

Não completaram:
Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth) – na 39ª volta
Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth) – na 34ª volta
Sergio Perez (MEX/Sauber-Ferrari) – na 19ª volta
Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – na 1ª volta
Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – na 1ª volta

Melhor volta – Sebastian Vettel (ALE/RBR-Renault) – 1m35s774 (52)

Só algumas palavras

Na roda-gigante do campeonato, a Red Bull quer voltar ao topo

Salve Galera! Eu vou ser bem rápido no post, já que este escriba aqui anda bem atarefado e uma corrida na madruga vai desgastar mais. Mas vamos no que temos, pois Suzuka pode ter uma corrida legal amanhã.

O domínio nos treinos foi absoluto da Red Bull, especialmente de Sebastian Vettel. A dobradinha na primeira fila, com o alemão na frente de Mark Webber era uma barbada. Se o carro resistor a corrida inteira, a chance de tirar uma diferença razoável para Fernando Alonso é muito grande.

O asturiano fez o que devia e larga em sexto. Se não tem carro para ganhar, vai em busca de pontos preciosos para manter a diferença dentro do normal. Para sua sorte, larga à frente das duas McLaren. Jenson Button até fez o terceiro tempo, mas precisou trocar o câmbio e parte de oitavo. Uma posição à frente de Lewis Hamilton, que não se encontrou no Japão e parte num lugar incômodo.

Entre os rubro-taurinos e o líder do campeonato, vemos algumas surpresas. A segunda fila terá Kamui Kobayashi, fazendo a festa da turma da casa, e Romain Grosjean, numa combinação perigosa para quem está atrás. E em quinto o recém mclarista Sergio Perez, também aparecendo bem, mostrando um bom desempenho da Sauber.

Kimi Raikkonen larga em sétimo, mas mesmo com a asa nova, a Lotus não fez muita diferença. Para “ajudar”, ainda rodou na volta rápida, estragou os pneus e acabou perdendo a chance de subir. fechou o top ten Nico Hulkenberg, que também perde cinco posições, por trocar o câmbio.

Felipe Massa mais uma vez falhou na tentativa de chegar ao Q3, e terá que recuperar o terreno para sonhar com pontos graúdos. Ele até andou bem com os pneus duros, mas ao usar os macios, voltou a ter dificuldades. Já Bruno Senna, não saiu sequer do Q1, e reclamou uma barbaridade de Jean Eric Vergne, pela fechada antes da chincane, que custou preciosos décimos. Ainda sim, o sinal de alerta na Williams segue ligado.

Michael Schumacher foi quem se salvou com o problema do Primeiro-Sobrinho, mas não foi além do 13º, além de ter de cumprir a punição de 10 posições pela barbeiragem em Cingapura. Um fim de semana melancólico até agora na sua despedida.

Amanhã a corrida pode ser um desafio de paciência onde um erro pode ser fatal. Mas a corrida está com cara de Vettel. Veremos o que rola a seguir. Abraço!

1º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) 1min30s839
2º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) 1min31s090
3º. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) 1min31s700
4º. Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) 1min31s898
5º. Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari) 1min32s022
6º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) 1min32s114
7º. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) 1min32s208
8º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) ** 1min31s290
9º. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) 1min32s327
10º. Felipe Massa (BRA/Ferrari) 1min32s293
11º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) 1min32s327
12º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) 1min32s512
13º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 1min32s625
14º. Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) 1min32s954
15º. Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes) ** sem tempo no Q3
16º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) 1min33s368
17º. Bruno Senna (BRA/Williams-Renault) 1min33s405
18º. Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault) 1min34s657
19º. Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth) 1min35s213
20º. Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth) 1min35s385
21º. Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth) 1min35s429
22º. Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault) 1min35s432
23º. Michael Schumacher (ALE/Mercedes) * 1min32s469
24º. Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth) 1min36s734

*-Perdeu 10 posições

*-Perdeu 5 posições

Um grande retorno ao batente

Na malhor que voltar de férias vendo a Água Vermelha…

A volta das férias saiu melhor que a encomenda. a classificação para o Grande Prêmio da Bélgica ficou bem embaralhada e a largada, assim como a corrida inteira deve ser bem tensa. O grid tem muitas novidades para começar na pole. Essa foi a primeira de Jenson Button pela McLaren, quebrando um tabu de mais de sessenta corridas, quando ainda corria na Brawn GP.

E Button fez em grande estilo. Não deu a menor chance no Q3 e voou até a pole, nesta que é a sua corrida de número 50 na equipe de Working. O britânico tem uma boa oportunidade de se recuperar depois da temporada enfadonha que passou antes das férias.

Depois, vem a grande surpresa e grande preocupação da turma de trás. Kamui Kobayashi voltou a mitar, fazendo uma volta muito boa, alçou a primeira fila. Foi a segunda vez que um japonês chega nesta posição. Antes só Takuma Sato, no GP da Europa de 2004 tinha conseguido este feito. Se fizer tudo certinho desde a largada pode fazer história amanhã.

Atrás dele, vem Pastor Maldonado. O venezuelano não pareci que faria grande coisa, andando no bloco intermediário do Q1 e sofrendo para passar no Q2. Mas no final, também acertou a volta e faz uma boa colocação. Agora com Kobayashi e Maldonado juntos, podemos imaginar um dejà vu dessa cena?

Mas a alegria do Maldonado pode durar pouco, já que ele está sob investigação por um entrevero com Nico Hulkenberg e pode despencar no grid. Uma lástima para ele e para a Williams.

Quem está sob investigação é Kimi Raikkonen. O finlandês fez o quarto tempo, e pelo seu histórico amplamente positivo, tudo indica que seria o grande adversário de Button na briga pela vitória, mas ele teria cortado a Eau Rouge na volta rápida e pode ser punido. Veremos o que os comissários capitaneados por Eliseo Salazar, decidirão.

Com isso, quem pode herdar o terceiro lugar é Sergio Perez. Seria um sonho ver o time do tio Peter fazer um fim de semana tão bom.  Embora o mexicano tenha tomado meio segundo. A classificação está sendo auspiciosa.

O líder do campeonato, Fernando Alonso, foi o sexto. A Ferrari mostrou alguns lampejos no terceiro treino, mas na classificação esteve longe do brilho desejado. Mesmo assim a colocação é razoavelmente boa para as intenções do campeonato, especialmente quando está na frente de seus principais adversários.

Lewis Hamilton não fez uma boa classificação. Nunca apareceu com força nos treinos e vai partir em sétimo, sem demonstrar muitas esperanças. Romain Grosjean vem logo atrás, também sem brilhar e cometendo alguns erros. Também não dá para esperar um desempenho arrebatador na corrida. Fechou a superpole Paul di Resta, que conseguiu colocar o carro no Q3, apesar de apanhar de Hulkenberg durante boa parte do treino. Um resultado importante para ele.

A grande decepção foi a Red Bull. A turma dos energéticos andou para trás. Mark Webber ainda chegou ao Q3 e fez o sétimo tempo, mas trocou o câmbio pela segunda vez em 3 corridas e parte de 12º. Já Sebastian Vettel sequer chegou a terceira parte do treino e parte de décimo. Vai ser um fim de semana sofrível para os rubro-taurinos.

Os pilotos brasileiros, por sua vez, já sabem essa rotina. Felipe Massa foi novamente apático e passou longe do top ten, chegando só em 14º. Bruno Senna teve problemas com o DRS e andou muito longe do ritmo do companheiro de equipe. Ele ainda rodou numa das tentativa e foi o último no Q2, Parte em 17º, sabendo que vai ralar muito.

Quem também sofre bastante é a Mercedes. Michael Schumacher não tem muitos motivos para sorrir na festa do seu GP 300. Sem competitividade o fim de semana inteiro, as chances de festejar um bom resultado são ínfimas, partindo de 13º. Meso assim ainda tem um bom histórico na pista e até ele pode sonhar. Já Nico Rosberg vive um inferno astral. Quebrou o câmbio no FP3, perdeu cinco posições e sequer passou do Q1. Vai largar na última fila, ao lado da chincane ambulante do Narain Karthikeyan. A turma prateada está mal das pernas…

Amanhã não deve chover no decorrer da prova, mas como a região das Ardenas é sempre complicada em termos de meteorologia, não dá para descartar qualquer possibilidade, especialmente se tratando de Spa-Francorchamps. O grid embaralhado pode mudar tudo. Até lá. Abraço!

1 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) – 1m47s573
2 – Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) – 1m47s871
3 – Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) – 1m47s893
4 – Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) – 1m48s205
5 – Sergio Perez (MEX/Sauber-Ferrari) – 1m48s219
6 – Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – 1m48s313
7 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) – 1m48s394
8 – Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) – 1m48s538
9 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) – 1m48s890
10 – Sebastian Vettel (ALE/RBR-Renault) – 1m49s722
11 – Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes) – 1m49s362
12 – Mark Webber (AUS/RBR-Renault) – 1m48s392*
13 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – 1m49s742
14 – Felipe Massa (BRA/Ferrari) – 1m49s588
15 – Jean-Eric Vergne (FRA/STR-Ferrari) – 1m49s763
16 – Daniel Ricciardo (AUS/STR-Ferrari) – 1m49s572
17 – Bruno Senna (BRA/Williams-Renault) – 1m49s958
18 – Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault) – 1m51s739
19 – Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault) – 1m51s967
20 – Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth) – 1m52s336
21 – Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth) – 1m53s030
22 – Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth) – 1m53s493
23 – Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – 1m50s181*
24 – Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth) – 1m54s989

*punido em cinco posições pela troca de câmbio

%d blogueiros gostam disto: