Arquivos do Blog

Os que vão, os que vêm, os que ficam e o que vence

Fala pessoal! A Fórmula 1 fez mais uma corrida em território americano, para ver agradava o público redneck presente em Austin. Fora da pista até que foi bacana, mas dentro dela, fim mais uma corrida monótona, sem grandes lembranças.

Na frente sem novidades

A vitória protocolar de Sebastian Vettel é a oitava seguida, tornando o recordista absoluto da categoria em termos de primeiros lugares consecutivos. Para completar, o alemão voltou a fazer os donuts das últimas corridas, mas agora no lugar onde o pessoal está mais acostumado.

Na briga do resto, o melhor acabou sendo Romain Grosjean. O francês comprova o excelente final de temporada com outra grande exibição, chegando em segundo lugar, aproveitando a largada, fundamento que Mark Webber sempre se dá mal, e depois administrou a posição, mesmo com o assédio do australiano.

Lewis Hamilton chegou a passar Webber na largada, mas acabou superado pelo rubrotaurino e em quarto ficou. Fernando Alonso fez a corrida de sempre e conseguiu segurar o ímpeto de Nico Hulkenberg para chegar em quinto.

Em sétimo, ficou o mexicano Serio Perez, com uma performance interessante, sendo superior o tempo todo em relação ao seu companheiro de equipe Jenson Button. O mexicano deixa a McLaren de cabeça erguida, mesmo com um carro bem inferior ao padrão da equipe de Woking.

Na sequência, outro destaque da prova. Valteri Bottas conseguiu manter o boom desempenho da classificação e brigou no pelotão e conseguiu um oitavo lugar histórico para ti, valendo os primeiros pontos na carreira. De quebra, fica à frente de Pastor Maldonado no campeonato.

Nico Rosberg e Jenson Button fecharam o top 10. Na turma que veio atrás, algumas decepções, como Felipe Massa, apagadíssimo no fim de semana, Pastor Maldonado, que tomou bandeira preta e laranja por andar com o bico danificado, Esteban Gutierrez, que rodou na última volta e Heikki Kovalainen, chegando bem atrás numa prova problemática.

Bom, chegamos ao capítulo final desta temporada. Semana que vem é a corrida mais esperada por nós. Além de ser histórica, por acabar com a era dos motores aspirados, vai encerrar uma era . Tomara que as coisas sejam mais emocionantes, embora a tendência não aponte isso. Abraço!

1º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) 56 voltas
2º. Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) a 6s2
3º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) a 8s3
4º. Lewis Hamilton (ING/Mercedes) a 27s3
5º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) a 29s5
6º. Nico Hulkenberg (ALE/Sauber-Ferrari) a 30s4
7º. Sergio Pérez (MEX/McLaren-Mercedes) a 46s6
8º. Valtteri Bottas (FIN/Williams-Renault) a 54s5
9º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) a 59s1
10º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) a 1min17s2
11º. Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) a 1min21s0
12º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) a 1min24s5
13º. Felipe Massa (BRA/Ferrari) a 1min26s9
14º. Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber-Ferrari) a 1min31s7
15º. Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Renault) a 1min35s0
16º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) a 1min36s8
17º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) a 1 volta
18º. Jules Bianchi (FRA/Marussia-Cosworth) a 1 volta
19º. Giedo van der Garde (HOL/Caterham-Renault) a 1 volta
20º. Charles Pic (FRA/Caterham-Renault) a 1 volta
21º. Max Chilton (ING/Marussia-Cosworth) a 2 voltas
Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes) abandonou

A bagunça está lá atrás

Fala pessoal! Com muita gente fazendo a contagem regressiva para 2014, muita gente vai fazendo a sua rotina habitual na pista de Austin, nos Estados Unidos,  mas teve gente que surpreendeu e que decepcionou. No entanto, não houve nenhuma mudança na briga pelas duas primeiras posições.

Na frente sem novidades

A pole estava destinada o tempo todo à turma dos energéticos, mas parecia que mark Webber iria levar a melhor pela terceira vez. O australiano bem que fez a sua parte e parecia que a posição de honra estava no papo. Mas apareceu Sebastian Vettel, que foi perfeito na volta final mais uma vez. A pole de número 44 na carreira estava assegurada.

Na segunda fila, vem o ascendente Romain Grosjean, homenageando a Steve McQueen no seu capacete, segundo ao lado do competente, mas desesperado Nico Hulkenberg, que precisa demais de um carro para 2014, para manter o nível.

A terceira fila traz uma dupla que está mais com a cabeça no próximo ano. Lewis Hamilton, com o seu casco estampando a figura de Michael Jackson, fez o quito tempo, largando à frente de Fernando Alonso, que achou uma volta excepcional no Q2 e conseguiu um sexto lugar excelente para as pretensões ferraristas.

Na sequência, vem Sérgio Perez, de aviso prévio já que a sua vaga na McLaren pertence a Kevin Magnuissen, fazendo uma classificação boa para mostrar que merece um lugar ao sol na próxima temporada, até porque tem a sua graninha para uma eventual vaga que aparecer.

Ao seu lado, o convidado da festa: Heikki Kovalainen retornou a Fórmula 1 pela Lotus, em substituição a Kimi Raikkonen, recém-operado da coluna. Se não brilhou na classificação, pelo menos, passou para Q3 e conseguiu um resultado razoável.

Bottas voadoras. Uma especialidade no continente americano

Na quinta fila, o destaque do treino. Em nono está Valteri Bottas, que surpreendeu andando muito bem com a Williams, chegando a liderar o Q1. No fim, errou na sua volta e parte em nono, mas ainda é muita coisa para a fase da equipe de Grove. Fechando o top ten, veio a segunda Sauber, com Esteban Gutierrez.

Uma das decepções do treino foi Felipe Massa. O brasileiro sofreu com um carro que não conseguiu se mostrar competitivo em nenhum momento e não teve a genialidade como Fernando Alonso de achar um acerto ou uma volta boa. Parte só de 14º, precisando de muita sorte para chegar nos pontos. Não é a melhor despedida do piloto tupiniquim.

Por favor, chega logo 2014!

Outro nome a ficar bem abaixo do esperado foi Nico Rosberg, que parte só de 13º, após não conseguir uma volta digna no Q2. O desempenho do alemão foi surpreendente, pois em todos os treinos estava próximo do seu companheiro de equipe, mas falhou na hora H.

Fechando a turma que do muro das lamentações, Pastor Maldonado deu uma surtada boa, após rodar no Q1 (Vale lembrar que Bottas, com o mesmo carro foi o mais rápido). O venezuelano disparou contra a equipe, acusando de errar propositalmente no acerto de seu carro. Uma despedida melancólica da equipe do Tio Frank.

Bom, é isso. Amanhã, a corrida deve ser mais um passeio do alemãozinho, mas podemos ter boas disputas no pelotão de trás. Se isso não estiver bom para ti, então nem perca tempo caçando streaming ou colocando na Sportv na hora da corrida. Abraço!

1º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) 1min36s338
2º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) 1min36s441
3º. Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) 1min37s155
4º. Nico Hulkenberg (ALE/Sauber-Ferrari) 1min37s296
5º. Lewis Hamilton (ING/Mercedes) 1min37s345
6º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) 1min37s376
7º. Sergio Pérez (MEX/McLaren-Mercedes) 1min37s452
8º. Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Renault) 1min37s715
9º. Valtteri Bottas (FIN/Williams-Renault) 1min37s836
10º. Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber-Ferrari) 1min38s034
11º. Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) 1min38s131
12º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) 1min38s139
13º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 1min38s364
14º. Felipe Massa (BRA/Ferrari) 1min38s592
15º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) 1min38s696
16º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes)* 1min38s217
17º. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes) 1min39s250
18º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) 1min39s351
19º. Giedo van der Garde (HOL/Caterham-Renault) 1min40s491
20º. Jules Bianchi (FRA/Marussia-Cosworth) 1min40s528
21º. Max Chilton (ING/Marussia-Cosworth) 1min40s596
22º. Charles Pic (FRA/Caterham-Renault)** 1min41s401

* – perdeu três posições

** – perdeu cinco posições

Água no energético

Brinde Texano: Você está fazendo isso certo, Pirelli!

Fala pessoal! GP dos Estados Unidos já acabou e se você quer esperar o final do Fantástico para ver o que vai rolar, já vou furar as perspectivas de vocês. A corrida foi muito boa, praticamente a corrida inteira teve pelo menos uma disputa na zona de pontuação e no fim das contas a Red Bull tem um título no bolso, o de construtores, mas o dia da centésima prova de Sebastian Vettel não terminou do jeito que a turma dos energéticos imaginou.

Lewis Hamilton foi o responsável para tirar a vitória de Vettel. O inglês fez uma corrida muito boa, marcou o alemão desde a largada e conseguiu controlar o desgaste de pneus, precisou parar antes, mas conseguiu manter a distância e após algumas tentativas, passou e assumiu a liderança na parte final. Hamilton festejou bastante com a equipe mostrando que não há ressentimentos de parte a parte, com a sua ida para a Mercedes. Um final feliz.

Para a Red Bull, apenas quatro pontos eram necessários para conquistar o tricampeonato de construtores. A conquista veio, mas o segundo lugar de Vettel e a quebra de Webber acabam deixando um clima de que a parada não foi resolvida. No fim Vettel tem a mesma vantagem para Fernando Alonso de duas corridas atrás.

A prova de Alonso foi polêmica já antes da largada. O motivo foi que tiraram o lacre da caixa de câmbio de Felipe Massa, que largaria à frente do espanhol. Com isso, o brasileiro perdeu cinco posições no grid e permitiu que ambos largassem do lado ímpar do grid, a parte mais emborrachada, que possibilitou a melhor largada do asturiano, que pulou para quarto e chegou ao pódio depois da quebra de Webber. Mais uma para a conta da Estaberria de Maranello.

Com isso a decisão será em Interlagos, com Vettel 13 pontos à frente do ferrarista. Para o piloto da Red Bull, um quarto lugar basta para ser campeão. Alonso só conseguirá vencer se:

-Ganhar e Vettel chegar de quinto para baixo;

-Chegar em segundo e Vettel de oitavo para baixo;

-Chegar em terceiro e Vettel de décimo para baixo.

Qualquer coisa fora disso, o caneco vai para o alemão. Dá pra ver que as chances são pequenas, mas a final em Interlagos promete. veremos o que acontecerá.

Apesar do trambique, Massa fez uma ótima corrida, fez ultrapassagens, foi combativo e fez o dever da equipe chegando em quarto, ajudando na equipe na briga pelo vice-campeonato de construtores além de uma fatia maior do bolo da FOM.

A McLaren ainda descontou a desvantagem para 14 pontos e pode tirar essa grana da Ferrari dependendo do que ocorrer. Jenson Button ajudou fazendo grande corrida, sempre passando todo mundo que estava na frente e mostrando muito arrojo, principalmente em cima de Michael Schumacher e de Kimi Raikkonen. Um bom quinto lugar ao inglês.

Raikkonen chegou em sexto, exatamente à frente de Romain Grosjean, fazendo mais pontinhos para a Lotus. O francês teve uma corrida agitada (exceto na largada, que todo mundo se comportou direitinho), fez ultrapassagens, deu uma rodada e quase ficou atolado na brita. Voltou, foi ultrapassado, recuperou o terreno perdido e terminou pressionando o companheiro de equipe. Não foi um super resultado, mas ficou de bom tamanho.

Na briga dos últimos pontuáveis, Nico Hulkenberg segurou os dois carros de sua ex-equipe no fim, enquanto suportava a dura briga da dupla da Williams. Pastor Maldonado superou Bruno Senna nas voltas finais e terminou na frente do companheiro, mas os dois pontuaram sem enroscos para alívio do tio Frank.

Da turma fora dos pontos, destaque negativo para a Mercedes, que outra vez ficou zerada. Michael Schumacher levou um monte de ultrapassagem e ficou bem longe dos pontos. A penúria do heptacampeão terminará domingo que vem, mas tá difícil de suportar.

Bom, é isso. Semana que vem a festa do título estará aqui perto (para a maioria de nós), em Interlagos e toda a emoção do GP Brasil é, por si só, o grande momento para a galera aí. Boa corrida para quem for e compartilhe os detalhes conosco! Abraço!

1 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) – 1h35m55s269
2 – Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) – a 0s600
3 – Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – a 39s200
4 – Felipe Massa (BRA/Ferrari) – a 46s000
5 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) – a 56s400
6 – Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) – a 1m04s400
7 – Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) – a 1m10s300
8 – Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes) – a 1m13s700
9 – Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) – a 1m14s500
10 – Bruno Senna (BRA/Williams-Renault) – a 1m15s100
11 – Sergio Perez (MEX/Sauber-Ferrari) – a 1m24s300
12 – Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) – a 1m24s800
13 – Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – a 1m25s500
14 – Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) – a 1 volta
15 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) – a 1 volta
16 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – a 1 volta
17 – Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault) – a 1 volta
18 – Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault) – a 1 volta
19 – Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth) – a 1 volta
20 – Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth) – a 2 voltas
21 – Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth) – a 2 voltas
22 – Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth) – a 2 voltas

Abandonaram:
Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) – na volta 17
Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) – na volta 15

Volta mais rápida: Sebastian Vettel (Red Bull-Renault) 1:39.347 na volta 56

O xerife terá a sua festa amanhã!

“O Touro Vermelho vai dominar o Texas”, isso está na cabeça de Vettel

E veio a corrida dos States. O Circuito das Américas é um desafio à altura para os pilotos e a Pirelli levou pneus de adamantium para o meio do Texas, que mal conseguem aquecer. Com esse cenário. a Fórmula 1 pode ter o seu campeão mundial de 2012 definido. E as possibilidades são grandes.

Tudo porque Sebastian Vettel está esculachando a concorrência em Austin. Em todos os treinos, ele colocou uma vantagem grande na concorrência. Até que no Q3, sofreu um calorzinho de Lewis Hamilton, mas nada para atrapalhar qualquer risco de sair da posição de honra na sua centésima corrida. E essa corrida pode lhe valer o tricampeonato pois a Ferrari anda sofrendo um monte para conseguir uma temperatura decente o não tem sido constante.

Fernando Alonso terá que remar muito para chegar pelo menos e quarto lugar. Partindo só em oitavo, terá algumas pedreiras pela frente. O único que pode ajudar é Felipe Massa, que conseguiu pela segunda vez no ano ficar a frente do asturiano. No mais, o pessoal vai querer encrencar e a quinta fila tem Romain Grosjean e Pastor Maldonado. Com a curva cega na largada, dá para imaginar riscos iminentes à turma da frente e com a dupla, o alarme vai soar adoidado!

Dando uns destaques no pelotão intermediário, a Lotus fez P4 e P5 com Grosjean na frente de Kimi Raikkonen, mas o franco-suíço perdeu cinco posições por trocar o câmbio. O quinto posto ficou para Michael Schumacher, voltando a aparecer bem em uma classificação. A única coisa é que irritou os tifosi com fechadas em Massa no treino livre e em Alonso no Q1. Mesmo assim salvou o dia da Mercedes e pode ter um fim mais digno de carreira, até porque ficou bem na frente de Nico Rosberg e chegou a superpole.

Quem quase chegou no Q3 foi Bruno Senna. Faltou dois décimos para tirar Kimi Raikkonen e tentar largar à frente de Maldonado, mas lembrando que parte em 11º fica bem perto da zona de pontuação e como tem um desempenho mais sólido de corrida, pode sonhar com bons pontos, desde que passe ileso na primeira volta.

Quem ficou bem para trás foi Jenson Button, que foi vítima de outro problema mecânico da McLaren. A perda de potência do motor no meio do Q2 e sairá no meio do bolo. Agora é torcer para problemas da turma da frente para assegurar alguns pontinhos e esperar um 2013 bem melhor.

Na turma do fundão, destaque para a Marussia, que colocou os dois carros na frente das Caterham e fica cada vez mais perto de assegurar o décimo posto no campeonato de construtores, além de providenciais 10 milhões de euros nas contas da escuderia rubro-negra.

É isso, amanhã, que está na Terra de Santa Cruz, vai ter que se virar para assistir a prova que pode ser decisiva, já que a corrida não será ao vivo. Só quem tem uma TV a cabo com Sportv ou quem tem um Streaming poderoso poderá curtir ao vivo. Quem se aventurar a assistir o VT depois do Fantástico, saiba que vamos furar os prognósticos da Vênus Platinada e botar o post no ar logo que a prova terminar! :mrgreen:

Abraço!

1 – Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault) – 1m35s657
2 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) – 1m35s766
3 – Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) – 1m36s174
4 – Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) – 1m36s708
5 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – 1m36s794
6 – Felipe Massa (BRA/Ferrari) – 1m36s937
7 – Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes) – 1m37s141
8 – Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – 1m37s300
9 – Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) – 1m36s587*
10 – Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) – 1m37s842

Eliminados no Q2:
11 – Bruno Senna (BRA/Williams-Renault) – 1m37s604
12 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) – 1m37s616
13 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) – 1m37s665
14 – Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari) – 1m37s879
15 – Sergio Perez (MEX/Sauber-Ferrari) – 1m38s206
16 – Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) – 1m38s437
17 – Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – 1m38s501

Eliminados no Q1:
18 – Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari) – 1m39s114
19 – Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth) – 1m40s056
20 – Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth) – 1m40s664
21 – Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault) – t 1m40s809
22 – Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault) – 1m41s166
23 – Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth) – 1m42s011
24 – Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth) – 1m42s740

*perdeu cinco posições

Captain America’s been torn apart, now he’s a court jester with a broken heart

Tudo muito bonito, mas… Alguém nos States prestará atenção?

Salve galera! Vamos chegando ao GP dos Estados Unidos em Austin, no Texas e a Fórmula 1 vai tentar mais uma vez realizar o sonho de agradar o povo de lá com seus carros e a nova pista que será um desafio interessante. Mas a própria agenda e o perfil do público pode fazer os planos de Bernie Ecclestone verter água.

O motivo e um detalhe tão irrisório que vai comprometer toda o plano de atingir os ianques e os sulistas, pois quando a corrida estiver na metade, por volta das 18 horas no horário de Brasília, na cidade de Miami, o circuito de Homestead está recebendo a largada da última etapa da Nascar em 2012. Haverá o choque entre as duas categorias no horário.

Não é preciso ser um expert para entender que isso foi uma tremenda bola fora. Se o velhote tinha a chance de acertar as arestas da categoria com o pessoal da Terra do Tio Sam, isso caiu por terra. Os dois mundos das duas categorias são completamente diferentes para eles.

Uma prova disso vi neste domingo, com a penúltima prova em Phoenix, no Arizona. Vejam este vídeo:

Para explicar um pouco antes, o número 24, o veterano Jeff Gordon levou um toque de Clint Bowyer (15) a cinco voltas do fim. O americano ficou com o pneu furado e se arrastou pela pista com o carro avariado para dar o chamado “payback” (troco), que é uma prática até comum na categoria de turismo americano. O resto está aí em cima.

Pra não ficar em cima do muro, digo que Gordon errou e feio. Merece uma punição severa e que isso foi muito desleal, Bowyer também se comportou muito mal, assim como os mecânicos das duas equipes. Muitos de vocês devem pensar disso pra pior, mas acredite as coisas não são bem assim.

Nos Estados Unidos, a história é diferente. Essa atitude geralmente é aplaudida pela torcida, e a grande maioria dos fãs desses pilotos continuam ainda mais fanáticos, como a fan page de Gordon. E isso não é a primeira vez que acontece. A Nascar ficou muito popular por causa de brigas no decorrer de corridas. Aqui no Brasil, os que admiram a categoria também gostaram do que viram, e admiram a categoria eternamente.

É disso que o povo gosta!!!

E isso é que faz a diferença. A Nascar, por mais que seja uma corrida em ovais, com um estilo bem estranho, tem todos os atrativos que um fã de automobilismo quer: Disputas, emoções e pilotos que fazem a diferença, mais que os carros. E esse fator essencial. O fato dos pilotos serem humanos. Os americanos se identificam com um determinado piloto da categoria. Até a venda de automóveis depende do desempenho das marcas envolvidas.

E essa empatia que os americanos veem na Nascar está muito longe daquilo que a F1 vê. Até o uso de “F-word” e “S-word” (thanx declaração da FIA) não pode mais ser usada indiscriminadamente no pódio, mesmo no momento de extrema emoção dos pilotos. Tudo é muito controlado.

A categoria norte-americana é tolerante com o comportamento dos pilotos. É um meio de vida dos americanos. Embora isso seja preocupante no reflexo psicológico deles, é assim que eles enxergam a vida. Tudo uma questão de cultura e os eventos em questão são apenas a imagem de quem gosta do automobilismo. Já a Fórmula 1 não tem nada a ver com isso.

A categoria mundial será uma estranha no ninho. Os pilotos não devem sofrer tanto pois isso não vai afetar as suas rotinas. mas vão passar totalmente despercebidos. O país vai estar concentrado na Flórida. O melhor piloto da temporada será coroado neste domingo e isso é o que importa. Quem são Sebastian Vettel e Fernando Alonso perto de Brad Keselowski e Jimmie Johnson?

O fato é que a F1 quer se instalar em um ambiente que não tem nada ver com o glamour e pomposidade que vêem na Europa e nos lugares cheios da grana na Ásia. Não haverá americano louco por velocidade que troque a categoria que tem a filosofia estadunidense por aquela coisa cheia de frescura. Volte à Cidade-Paraíso Fórmula 1!!!

Nada contra o Circuito das Américas, nem contra a F1 nos States, mas o alerta que fica é que a corrida não poderia ser marcada num horário que bata com a decisão da Nascar. Isso é pedir pelo fracasso da empreitada.

P.S. O verso-título do post (Em português: “Capitão America tem sido dilacerado/Agora ele é um bobo da corte com o coração quebrado”) vem da música Paradise City, do Guns N’ Roses (que fez parte do CD F1 Rock, lançado em 1996, já citado por este blog). O que representa a situação da F1 nos States. Fique com a música para quem quiser. (E QUEM FALAR MAL DA MÚSICA, SERÁ BANIDO!!! Ou não?)

%d blogueiros gostam disto: