Arquivos do Blog

R.I.P. Jacarepaguá

Vejam esse vídeo e chorem. Chorem como eu estou chorando agora. O único circuito que tive a oportunidade de guiar, de acelerar tudo, de quase perder a respiração na freiada retardada.

Chorem por perdermos um traçado único, lindo e feito para pilotos de verdade. Cada curva era um desafio.

Chorem tb por não termos o circuito de Deodoro, que nunca sairá do papel pois fomos enganados.

Nunca mais veremos os boxes com seus arcos tão peculiares.

Não haverá mais corridas por lá…Nunca mais.

Acabou.

Anúncios

La garantia soy yo! Y yo también!

Ele sabe do riscado, não importa o carro que tem

A corrida da Malásia teve seu habitual problema com a chuva, mesmo com a dona FIA querendo atrapalhar os planos com seu medinho de água, a corrida seguiu e entrou para a história. A bagunça rolou solta e mostrou que quem tem braço sabe fazer a diferença ainda.

E este cara é don Fernando Alonso de las Astúrias. O cara pode ser um crápula, mas guia uma barbaridade.  Tirou vinho de pedra! O piloto espanhol fez uma corrida soberba aproveitando dos erros dos outros e guiando no seu estilo. Uma vitória para erguer a moral de qualquer tifosi. Para ajudar ele ainda é líder do campeonato, condição que não deve durar muito tempo, mas o fato é que não podemos menosprezar o asturiano.

Pode festejar Perez

Outro que merece todas as palmas do mundo é Sergio Perez! Tá certo que teve aquela saída de pista no final da prova (talvez desconcentrado pela ordem de equipe para segurar o segundo lugar (Ou algo mais?) mas isso talvez seja devaneio meu). Mesmo assim fez uma pilotagem incrível. Esteve perto de vencer a corrida e conseguiu um histórico segundo lugar, que é o melhor resultado da história da Sauber como equipe independente. Atuação genial do Mexicano. Um deja vu de Mônaco 84?

Lewis Hamilton foi terceiro, com muita raiva da equipe que esteve ridícula nas trocas de pneu. Pelo menos teve a sorte de Jenson Butto se afobar na disputa com Narain Karthikeyan após o primeiro pit stop depois do retorno da prova. Durante o período de pista molhada, o carro prateado não foi o soberano das condições de pista seca. Bom para o campeonato que não vê uma equipe disparando.

O mesmo vale para a Red Bull, que está bem longe de brigar por vitórias. Para “ajudar”,  Sebastian Vettel teve um pneu furado após um toque com uma HRT e estava com problemas mecânicos na última volta. Acabou zerando e vê o tricampeonato ficando mais complicado. Mark Webber salvou o fim de semana dos energéticos.

Kimi Raikkonen só não mostrou se foi na combinação Coca-com-Magnun, mas mostrou a velha classe. Volta mais rápida no fim da prova (uma tradição na época de McLaren e Ferrari) e um quinto lugar com méritos. O iceman sabe do riscado e é bom respeitá-lo  também.

E tivemos uma redenção nesta corrida. Bruno Senna teve uma rodada na primeira volta, mas fez uma corrida de recuperação espetacular. Belas ultrapassagens, guiou bem na chuva e chegou a um brilhante sexto lugar dando a Williams mais pontos que em 2011 inteiro (8 contra 5)  Um resultado necessário e excepcional para a moral do brasileiro.

Fechando os pontuáveis, a Force India colocou os dois carros nos pontos, (Di Resta 7º e Hulkenberg 9º), Jean-Eric Vergne somou os primeiros pontos com o oitavo lugar, tendo melhor desempenho em relação ao seu companheiro Daniel Ricciardo e Michael Schumacher salvou um ponto depois do toque de Romain Grosjean e sofrer com a instabilidade da Mercedes. Longe daquilo que esperava, mas somou o primeiro ponto da equipe.

Fora isso , Pastor Maldonado tava perto de pontuar, mas viu o motor fundir a duas voltas do fim, Kamui Kobayashi foi combativo como sempre mas não chegou ao fim, ficando longe de repetir o êxito de seu companheiro. Karthikeyan aproveitou a estratégia para andar em décimo, mas voltou à sua realidade. O fundão. E Felipe Massa andou levando passão de todo mundo. Com a atuação de Perez, o clamor pela sua cabeça só aumenta. A batata tá assando para ser servida nas quentinhas do comercial do banco.

E é isso aí. daqui a pouco estreia da Indy com Barrica. Fiquemos atentos. Até lá!

1º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), 56 voltas
2º. Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari), a 2s2
3º. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), a 14s5
4º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), a 17s6
5º. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault), a 29s4
6º. Bruno Senna (BRA/Williams-Renault), a 37s6
7º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes), a 44s4
8º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari), a 46s9
9º. Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes), a 47s8
10º. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), a 49s9
11º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), a 1min15s5
12º. Daniel Ricciardo (ITA/Toro Rosso-Ferrari), a 1min16s8
13º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 1min18s5
14º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), a 1min19s7
15º. Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 1min37s3
16º. Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault), a 1 volta
17º. Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth), a 1 volta
18º. Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault), a 1 volta
19º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault), a 2 voltas/motor
20º. Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth), a 2 voltas
21º. Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth), a 2 voltas
22º. Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth), a 2 voltas

Não completaram:
Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) a 9 voltas/freios
Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) a 52 voltas/rodada

Voltando com tudo, e com nada

Butão dando as cartas

Enfim a Fórmula 1 voltou. E do jeito que um fã de Fórmula 1 gosta. No dia em que completam 35 anos da morte do grande José Carlos Pace, a corrida na Austrália proporcionou um espetáculo pra lá de interessante. Infelizmente não podemos dizer que o Brasil tenha representantes que honram nosso Moco nas pistas.

A McLaren dominou a parada desde o começo, mas a Red Bull ainda conseguiu acompanhar de perto na parte final. Quanto ao vencedor, fica claro que Jenson Button mantém a mesma performance do ano passado e o fato que é neste momento o líder mais adequado à equipe de Working, uma vez que Lewis Hamilton foi apático nesta corrida e não foi além do terceiro lugar.

Já Sebastian Vettel fez uma corrida mais ousada e foi pra cima de quem estava na frente. Fez uma bela passagem em Nico Rosberg e ameaçou a soberania dos carros prateados. Para o bicampeão, um bom resultado, mesmo diante de uma situação adversa. Mark Webber foi o quarto apesar de alguns sustos mas fez o que dava.

Logo após, Fernando Alonso fazendo bonito, salvando o fim de semana desastroso da Ferrari e mostrando que o asturiano ainda sabe do riscado. Parabéns ao espanhol pelo desempenho.

Pastor Maldonado tinha tudo para ganhar um belo cumprimento pelo desempenho no fim de semana, mostrando o renascimento da Williams, teve agressividade o tempo todo. Na briga com Romain Grosjean, deu um chega pra lá no francês que quebrou a suspensão e ficou no começo da corrida. Depois andou sempre nas primeiras posições e estava em sexto, mas na última volta uma saída em falso de uma curva e uma baita pancada de frente. Saiu ileso fisicamente, mas mostrou o velho estilo Maldonado de correr.

A última volta também reservou confusão para Sergio Perez e Nico Rosberg, que se tocaram e ficaram longe do sexto posto que acabou com o mito Kamui Kobayashi, seguido do boêmio Kimi Raikkonen, que protagonizaram uma disputa belíssima durante toda a corrida e marcaram merecidos pontos. O mexicano ainda segurou os pontos do bando que vinha com Jean=Eric Vergne, Daniel Ricciardo e Paul di Resta. no fim o francês ficou fora dos pontos e viu o sonho de pontuar na estreia ser tirado como doce da boca de criança, assim como o Rosbife.

Para a Mercedes, o prejuízo é pior ainda. Michael Schumacher poderia até ir ao pódio, mas o câmbio arriou no começo da prova, deixando o heptacampeão na mão. Pela promessa do carro, o início acaba sendo decepcionante. Outra decepção foi a Caterham, que não andou o ritmo do pelotão e acabou com o os carros parando com problemas mecânicos. Dia ruim para Tony Fernandes.

E os brasileiros? A imagem fala por si só!

Retrato dos pilotos brazucas hoje

Daqui há uma semana, vem a Malásia com o primeiro Tilketródromo. Talvez aí saberemos a real situação do campeonato.  Mas a McLaren já mostrou que tem material para combater a hegemonia da Red Bull e formar a sua própria. Veremos o que ocorrerá. Abraço!

1º. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), 1h34min09s565
2º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), a 2s139
3º. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), a 4s075
4º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), a 4s547
5º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), a 21s565
6º. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), a 36s766
7º. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault), a 38s014
8º. Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari), a 39s458
9º. Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso-Ferrari), a 39s556
10º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes), a 39s737
11º. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso-Ferrari), a 39s848
12º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 57s642
13º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault), a 1 volta
14º. Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth), a 1 volta
15º. Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth), a 5 voltas
16º. Bruno Senna (BRA/Williams-Renault), a 6 voltas

Não completaram:

Felipe Massa (BRA/Ferrari), volta 47  (suspensão)
Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault), volta 39 (mecânico)
Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault), volta 35 (mecânico)
Michael Schumacher (ALE/Mercedes), volta 11 (câmbio)
Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault), volta 2 (suspensão)
Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes), volta 1 (acidente)

Fecham-se as cortinas… Mas 2012 já tá aí!

Final um pouco diferente

E fim de papo na temporada 2011. O GP Brasil teve momentos empolgantes, mas não foi a grande corrida que se esperava. A chuva prometida ficou rondando, mas não veio, e a zona da asa bem que poderia ser na reta dos boxes. Foi pouca coisa a reta oposta apenas, mesmo assim algumas coisas aconteceram.

Para começar, a Red Bull dominou a parada, mas desta vez, foi Mark Webber que saiu com o troféu do pré-sal. A sorte foi o câmbio de Sebastian Vettel começar a abrir o bico e complicar a corrida do bochecha, que declarou se sentir como o Silva, em 91, mas com o câmbio borboleta foi menos sofrido, tanto que seu desempenho não foi tão afetado, fez o suficiente para garantir a dobradinha, mas com um final melhor ao australiano, que perdeu a “virgindade” na temporada! Se foi uma ordem maquiada, ninguém sabe ainda, mas para o Canguru Perneta, o importante foi chegar lá!

Jenson Button e Fernando Alonso brigaram pelo lugar ao pódio. O espanhol fez uma bela manobra no Laranjinha, mas o inglês confirmou o bom uso dos pneus médios da McLaren e recuperou a posição. Vice confirmado e merecido pelo desempenho ao longo do ano.

Para a Ferrari, o ano fecha com o quarto do asturiano e o sexto de Massa, muito pouco para a Estaberria, que terá que caprichar no ano que vem. Felipe fez o que pôde, tentou uma parada a menos, até contando com a hipótese de chuva, mas não foi além do quinto lugar, ficando fora do pódio em 2011, marca que o Brasil não via desde 1998. Que o ano novo traga melhorias a ele.

Outro que pede um ano melhor foi Lewis Hamilton. O câmbio vinha dando problemas assim como Vettel, mas disputando posição e forçando mais acabou ficando pelo caminho. Outro que deve repensar as coisas para melhorar na próxima temporada.

Adrian Sutil fez grande corrida. Com ultrapassagens e arrojo fechou a corrida de Interlagos como o melhor do segundo pelotão, em sexto, para mostrar que merece um emprego decente. Com o oitavo de Paul di Resta, a Force India ratificou o sexto lugar na temporada.

Nico Rosberg foi sétimo e confirmou a mesma posição no campeonato, depois dos problemas de Michael Schumacher, pode até requerer o posto de primeiro piloto, embora a cúpula da Mercedes ainda torça um pouco o nariz para ele.

Kamui Kobayashi chegou em nono, recuperando um pouco a moral e pondo a Sauber em sétimo, indo com mais calma como foi pedido pela equipe. Vitaly Petrov fechou o top ten, tambem querendo um lugar ao sol ano que vem.

Bruno Senna tinha o sonho de pontuar, mas acabou virando fumaça no toque com o heptacampeão, que ficou com o pneu furado e o brasileiro com o bico avariado. Para piorar, os comissários puniram Lalli com um drive-trougth pelo acidente. Na minhja visão foi um toque de corrida, mas talvez a forma como o carro preto entrou o S do Senna possa ser considerada exagerada.

Rubens Barrichello chegou em 14º, após outro problema de largada. se recuperou bem e brigou intensamente, indo onde dava com o carro que tinha. Se ficar em 2012, que tenha um bólido melhor, mas que o clima de despedida ficou no ar, parece que ficou sim. Espero estar enganado.

E é isso aí! Campeonato acabou, foi até com corridas interessante, mas o domínio de FFFFFettel foi absoluto. Ano que vem, esperamos McLaren e Ferrari pelo menos, mais próximas, a não ser que Adrian Newey faça mágica de novo. Mas o ano não acabou por aqui galera! Teremos ainda o balanço final, o FUFA Awards 2011, vídeo de fim de ao e a silly season, com a definição das equipes, os carros novos e os testes, até o dia 18 de Março, quando a F1 volta à toda.  Portanto, sigam conosco! 😉

1 – Canguru Uéba (AUS/Red Bull-Renault) – 71 voltas em 1h32sm17s434
2 – Hoje o dedo ficou no câmbio (ALE/Red Bull-Renault) – a 16s983
3 – Lyons Butão (ING/McLaren-Mercedes) – a 27s638
4 – Asturiano (ESP/Ferrari) – a 35s048
5 – Felipe Caneloni (BRA/Ferrari) – a 1m06s733
6 – Adrian Sutileza nas negociações (ALE/Force India-Mercedes) – a 1 volta
7 – Nico Rosbife (ALE/Mercedes) – a 1 volta
8 – Paul di Maior (ESC/Force India-Mercedes) – a 1 volta
9 – Jiraya Koba-san (JAP/Sauber-Ferrari) – a 1 volta
10 – Vitaly e sua moto (RUS/Renault-Lotus) – a 1 volta
11 – DJ Suari (ESP/Toro Rosso-Ferrari) – a 1 volta
12 – Galvão Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari) – a 1 volta
13 – Chesperito Pérez (MEX/Sauber-Ferrari) – a 1 volta
14 – Não aprendi a dizer adeus! (BRA/Williams-Cosworth) – a 1 volta
15 – Heptavigarista (ALE/Mercedes) – a 1 volta
16 – Heikki Kovalento (FIN/Lotus-Renault) – a 2 voltas
17 – Bruno Costela Lalli (BRA/Renault-Lotus) – a 2 voltas
18 – Jarno Truly, Madly, Deeply (ITA/Lotus-Renault) – a 2 voltas
19 – Jerônimo do Ambrósio (BEL/Marussia Virgin-Cosworth) – a 3 voltas
20 – Daniel Paulo Ricardo (AUS/Hispania-Cosworth) – a 3 voltas

Não completaram:

É Bicho, são tantas emoções (ITA/Hispania-Cosworth) – a 9 voltas/mecânico
Luisinho Cirilo (ING/McLaren-Mercedes) – a 34 voltas/câmbio
Pároco MaldAnado (VEN/Williams-Cosworth) – a 44 voltas/acidente
Mult G-Lock (ALE/MVR-Cosworth) – a 49 voltas/roda solta

Melhor volta: Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) – 1m15s324 na 71ª volta

Classificação Final

Campeonato de Pilotos:

1 Sebastian Vettel 392
2 Jenson Button 270
3 Mark Webber 258
4 Fernando Alonso 257
5 Lewis Hamilton 227
6 Felipe Massa 118
7 Nico Rosberg 89
8 Michael Schumacher 76
9 Vitaly Petrov 37
10 Nick Heidfeld 34
11 Adrian Sutil 34
12 Kamui Kobayashi 30
13 Paul di Resta 27
14 Jaime Alguersuari 26
15 Sebastien Buemi 15
16 Sergio Perez 14
17 Rubens Barrichello 4
18 Bruno Senna 2
19 Pastor Maldonado 1

========================================

Campeonato de Construtores:

1 Red Bull-Renault 650
2 McLaren-Mercedes 497
3 Ferrari 375
4 Mercedes 165
5 Renault 73
6 Force India-Mercedes 69
7 Sauber-Ferrari 44
8 Toro Rosso-Ferrari 41
9 Williams Cosworth 5

Dia do Caçador

Por Eduardo Casola Filho

Cirilo lavou a alma

Pois é! A corrida de Abu Dhabi teve tudo diferente do que aparentava na classificação. Até mesmo a corrida não foi de todo aborrecimento, tivemos ultrapassagens e disputas. Se não foi a melhor corrida do ano, sem dúvida foi a melhor da pista.

E o resultado final teve suas contribuições da turma dos energéticos. Sebastian Vettel viu o sonho de igualar o número de vitórias de Michael Schumacher, em 2004, esvaziar com o pneu traseiro direito, logo na largada. Suspensão arriada e desde o GP da Coreia do ano passado, coube ao Bochecha acompanhar a corrida dos boxes.

Com isso, Lewis Hamilton assumiu a ponta e não a perdeu mais. Uma vitória incontestável num momento muito importante para o Cirilo, assim pode botar a bagunça desta temporada em ordem e entrar mais tranquilo em 2012.

Fernando Alonso tentou seguir o ritmo da McLaren, mas não deu sorte com os retardatários e a Ferrari esteve em outro dia ruim nos pits. Mesmo assim, um bom segundo lugar, para exorcizar os fantasmas de Yas Marina, completando a coleção de troféus de todos os circuitos do grid

Jenson Button completou o pódio. Não foi brilhante, como nas últimas corridas, também não encontrou o rendimento ideal do carro, ao contrário do Luisinho, mas completou o pódio suportando as pressões de Mark Webber e Felipe Massa.

O australiano andou bem, fez volta mais rápida em cima de volta mais rápida, mas a estratégia de 3 paradas não era o recomendado. Pela primeira vez, também desde a corrida coreana do ano passado, a Red Bull ficou de fora do pódio.

Já o Felipe até tinha a esperança de buscar o primeiro pódio do ano, mas não acertou o rendimento do carro no fim da prova e acabou rodando. Ficou em quinto e terá apenas a corrida de Interlagos para salvar o ano, mas a situação é complicada.

Depois vieram as duas Mercedes, com Nico Rosberg à frente de Michael Schumacher, um importante resultado, abrindo sete pontos para a corrida final, na luta pelo sétimo lugar na temporada.

Terminando os pontuáveis, as duas Force India, com Adrian Sutil e Paul Di Resta respectivamente. praticamente sacramentando o sexto lugar no campeonato de construtores. Para o sétimo lugar, a Sauber conseguiu abrir um ponto para a Toro Rosso com o décimo posto de Kamui Kobayashi. A chance do Tio Peter pelo menos ter um pouquinho mais de grana no ano que vem. E para o japa, enfim, espantar a má fase.

Rubens Barrichello fez boa corrida, partindo de último, brigou pelo ponto enquanto pôde, mas acabou em 12º. Mesmo assim, uma esperança ao menos para um futuro na carreira do experiente piloto.

Já Bruno Senna teve outra corrida para esquecer. Partiu para uma estratégia ousada de pneus. Além de não dar certo, ainda sobrou uma punição ao Lalli por ignorar bandeiras azuis. Outra frustração.

Próxima parada é o GP Brasil. Gostaria muito que os fufeiros estivessem lá para dar a mensagem, mais do que isso! Se possível, quem for para lá, pode mandar um post sobre como é o ambiente de Interlagos, da torcida, da corrida em si. Enfim. Mandem a suas sugestões pois botaremos aqui. E claro, muitas fotos também. Até lá!

1 – Luisinho Cirilo (ING/McLaren-Mercedes) – 55 voltas em 1h37m11s886
2 – Mi colección se completa (ESP/Ferrari) – a 8s457
3 – Jenson Lyons Butão (ING/McLaren-Mercedes) – a 25s881
4 – Not Bad for the strategy (AUS/Red Bull-Renault) – a 35s784
5 – Felipe Talharim (BRA/Ferrari) – a 50s578
6 – Nico Rosbife (ALE/Mercedes) – a 52s317
7 – Herr Heptavigarista (ALE/Mercedes) – a 1m15s964
8 – Adrian Sutileza (ALE/Force India-Mercedes) – a 1m17s122
9 – Paul di Dentro  (ESC/Force India-Mercedes) – a 1m41s087
10 – Jiraya Koba-san (JAP/Sauber-Ferrari) – a 1 volta
11 – Chesperito Pérez (MEX/Sauber-Ferrari) – a 1 volta
12 – Ainda tenho lenha para queimar! (BRA/Williams-Cosworth) – a 1 volta
13 – Vitaly e sua moto (RUS/Renault-Lotus) – a 1 volta
14 – Bandeira azul? Onde? (VEN/Williams-Cosworth) – a 1 volta
15 – DJ Suari (ESP/Toro Rosso-Ferrari) – a 1 volta
16 – Bruno Costela Lalli (BRA/Renault-Lotus) – a 1 volta
17 – Heikki Kovalento (FIN/Lotus-Renault) – a 1 volta
18 – Jarno Truly Old (ITA/Lotus-Renault) – a 2 voltas
19 – Mult G-Lock (ALE/Marussia Virgin-Cosworth) – a 2 voltas
20 – Não foram tantas emoções! (ITA/Hispania-Cosworth) – a 2 voltas

Não completaram:
Daniel Paulo Ricardo (AUS/Hispania-Cosworth) a 6 voltas/mecânico
Galvão Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari) a 36 voltas/mecânico
Jerônimo do Ambrósio (BEL/Marussia Virgin-Cosworth) a 37 voltas/mecânico
Hoje não teve dedo… (ALE/Red Bull-Renault) a 54 voltas/suspensão

Melhor volta: Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault) – 1m42s612, na 51ª

%d blogueiros gostam disto: