Qual o limite da ética?


Andei pensando bastante sobre os episódios ocorridos em Sepang, no último domingo, onde tivemos duas situações envolvendo ordens de equipe, onde uma foi acatada e a outra não, mas no fim os envolvidos sofreram as mais diferentes críticas sendo muitas delas pelas mesmas pessoas. Mas afinal, quem tem razão? E vou além: Qual quer é o limite ético que deve ser estabelecido pela Fórmula 1? Será que quem está de fora está preparado para avaliar a situação? Vamos conversar…

Falando primeiro da questão da Red Bull. Sebastian Vettel foi um sacana? Foi, sem dúvida. A Red Bull pediu para que os dois pilotos “trouxessem as crianças para casa” e não se arriscassem (ao contrário do que afirmei no post anterior, que Vettel não sabia, de fato ele tinha a orientação). No entanto, lá foi Sebastian e pegou Webber desprevenido, sem que este pudesse de defender com igualdade. Foi esta a razão da ira  de muitos que condenaram a atitude do tricampeão.

A Fórmula 1 tem histórias de jogos de equipe acatados ou não desde seus primórdios, portanto isso não é novidade em lugar nenhum. A própria Red Bull viveu a situação oposta no GP da Inglaterra de 2011 e até comentei a respeito daquele episódio. A turma dos energéticos é e sempre foi igual as outras. Vettel não quis aceitar e foi para cima. Ele foi desleal com a equipe, foi desleal para o companheiro, mas mostrou que não engole qualquer coisa.

Vettel tem um argumento ao seu favor: Como sabe que a disputa com Fernando Alonso pode ser mais parelha que no ano passado, sabe que não pode abrir mão de muitos pontos, já que foi campeão com apenas três pontos de vantagem em 2012. Portanto viu a necessidade dos sete pontos. Justo a mesma quantidade tão amaldiçoada depois do episódio do “Fernando is faster than you”.

Volto a insistir: Vettel pisou na bola com a equipe e pode ter tornado Webber um rival, em vez de um aliado. Alan Jones em 1981 e Nigel Mansell em 1990 não perdoaram desfeitas de seus companheiros de equipes e agiram contra estes. E nessa equação, O alemão pode ter se lascado bonito.

Por outro lado, Webber poderia ter reclamado menos, pois teve a chance de fazer diferente e não o fez. O australiano deixa a marca de ser o eterno “1B” como o cara que não teve as oportunidades que merecia e tudo mais, mas sabemos que o sujeito também esteve do outro lado, especialmente nos tempos de Jaguar (Antonio Pizzonia que o diga) e o fato é que ser superado mexeu com ele. A coisa só não é pior para ele, pois ele tem um bom relacionamento com Dietrich Mateschitz, que é o dono da fábrica de energéticos, e, portanto, pode até evitar um pouco essa submissão.

De qualquer forma, é fato que a turma dos energéticos não é aquela candura que tentaram vender. Nunca foi. Mas não me venham com essa de que “a máscara caiu”. Todos usamos máscaras todos os dias e não não podemos ter a dimensão ética de cada um, pois cada um tem a sua linha de pensamento. Talvez esse tenha sido o erro da Red Bull: achar que Vettel baixaria a cabeça igual a Webber. Sebastian mostrou uma personalidade diferente daquela que estamos acostumados a ver, mas é algo típico dos campeões mundiais, como Senna, Schumacher e Alonso, como exemplos mais recentes. Na Fórmula 1 não há lugares para bons-moços.

Agora falando da Mercedes, o que aconteceu entre Hamilton e Rosberg foi a mesma coisa, mas o alemão aceitou a contragosto e o inglês também não ficou satisfeito com a situação. No fim, aconteceu que a ninguém engoliu a ordem em Stuttgart e a cabeça de Ross Brawn, mentor da ordem, está a prêmio. No fim, a equipe parece que está mais disposta a diminuir estes contratempos e quer evitar polêmicas por enquanto para fazer seu projeto funcionar. Mas eles também não vão querer fazer a festa do caqui também. Vão procurar uma hierarquia para organizar suas forças, mas ela ainda está menos estruturada em relação ao seu ambiente.

Seja de um jeito, seja de outro, a Fórmula 1 sofreu mais um golpe em sua credibilidade, mesmo que um tenha e outro não aceito a ordem de equipe. É uma questão que ainda está incerta e que permeia toda a humanidade, imagina este pessoal que está no paddock. A ética não é regulamentada, ela vem do senso comum, e por isso, devemos  ter cuidado ao tecer os comentários diante das atitudes de cada. Se é difícil para um reles mortal, imagina pensar nisso a mais de 300 km/h?

Abraço!

P.S. Lembram daquela paródia de Blackbird (Beatles) do Mike Vlcek sobre a Red Bull? Parece que mesmo três anos depois ela parece bem atual…

RED BULL CRY


(Uêbáh canta)
Fffééttel singing in the dead of night
Take this broken wing and learn to drive
cos all my life
I’ve been only waiting for this moment to arise
(Fffféééttel canta)
Wwwwebber singing in the dead of night
take your sunken eyes and learn to see
Cos all your life
You’ve been only waiting for your moment to beat me
(Juntos)
Red Bull cry, Red Bull die
into the line of the dark black night

Tradução

Fffééttel cantando na calada da noite
Tome esta asa quebrada e aprenda a dirigir
Porque toda a minha vida
Eu estive esperando esse momento para levantar

Wwwwebber cantando na calada da noite
tire os olhos de trás e aprenda a ver
Porque toda a sua vida
Você foi apenas esperando o momento de me bater

Red Bull chora, Red Bull morra
na linha da escuridão da noite

Publicado em março 26, 2013, em Automobilismo, F1, Reflexão e marcado como , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 18 Comentários.

  1. Fernando is faster than you. Nesse ano, Massa tomou pra sempre o caminho de piloto 1B. Porque aceitou. Tivesse enfrentado a ordem, como fez o Proctologista, a história dele seria diferente. Não sei se chegaria a ser campeão um dia, mas teria no mínimo outro conceito por parte de todos. Ele não é braço como Alonso, Vettel ou Hamilton, mas não é menos piloto que o Alxander Lyons, por exemplo. O Queixudo Junior mostrou que não é da turma que aceita (assim como Fangio, Clark, Prost, Senna, Mansell, Piquet, Villeneuve, Fittipaldi, entre outros – enfim, os grandes). Alguém corre por ética? Não, se corre por vitórias e títulos. E pra mim, tem espaço pra bom moço na F1, sim. Porque bom moço é o que mostra a verdade, o que compete, o que não aceita marmeladas, resultados arranjados, encenações. Porque no futebol ninguém aceita resultados combinados, e aqui querem jogar pedra em pilotos que não se conformam com disputas combinadas?

    Não é a primeira vez que se questiona a ética na Fórmula 1. Não será a última. Como na vida, amigos. As pessoas que estão lá, estão trabalhando. em qualquer local de trabalho há, cedo ou tarde, menos ou mais, aspectos para se questionar a ética. Ou, só pra citar o exemplo mais básico, vocês já conheceram alguma empresa totalmente justa com seus funcionários? Talvez uma muito pequena, onde o dono dirige e é uma pessoa de bondade e caráter excepcionais, que valoriza mais as pessoas do que o dinheiro (coisa raríssima). Fora isso, não há.

    Vettel ultrapassou um piloto desprevenido. Feio? Sim. Errado? Bom, em primeiro lugar o errado era pedir que ele não tentasse ultrapassar. Isto jamais deveria ser feito. Não é esporte. Não justifica, mas tantos fizeram coisas piores e em maior quantidade, e ninguém fez nada. Vez que outra, uma punição isolada, que não mudou o curso da história. Observem outro piloto alemão que também conquistou títulos, o único espanhol que o fez e um inglês que foi campeão em tempos recentes e hoje corre por uma equipe alemã.
    Mas não é preciso ser trapaceiro para vencer. Vejam Vettel em seus três títulos, Raikkonen, Fangio, Lauda, Hakkinen e por aí vai.

    Comentem, amigos. Vamos conversar. Vamos debater e crescer juntos.

  2. O alemão errou mas na minha opinião ele não respeitou a ordem da equipe porque sabia que se desrespeita-se a ordem de equipe não seria demitido pois tem moral com a equipe afinal ele é tri campeão mundial o cara é foda!

  3. Vettel não errou em nada. Ele está lá para ultrapassar a todos que estiverem na sua frente. É para ver atitudes assim que acordo de madrugada.
    Rosbife caranguejou.
    Pq o canguru não deu o troco na volta seguinte? Pq não ficou colado na trazeira do garoto prodígio e abriu a asa? Pq é 1B e assunto encerrado (ou encenado?).
    Massa é um bom menino e tem que se fazer de morto para não melindrar o príncípe da astúcias, enquanto mete tempo nele. Afinal é o Santander quem lhe paga as doletas todo mês.

  4. Depois da vitória, Fffffettel mostrou um dedo diferente do costumeiro procto-indicador

  5. Se eu esperasse ética na F1, eu nunca perderia meu tempo assistindo as corridas!!! As coisas são assim pronto e acabou, se é bom para o esporte ou não aí é outra historia, eles nunca se preocuparam com isso, porque vão se preocupar agora???

  6. Ordens de equipe, uns aceitam, outros não…

  7. Alterou o resultado final da corrida, o que me deixou puto.

  8. Galera, pensem bem. Com a atitude rebelde do Bochecha se abre a possibilidade de uma nova era na F1, se todos pilotos resolverem seguir o exemplo do alemão. Fora o pega-pra-capar que vai rolar entre Vettel e Uéba (isso se o canguru for capaz). Tomara que o Massa-mole faça igual… Não Massaroca! Não é igual ao Uéba! Baixinho FDP!

    • É verdade! Será que há chance dos outros seguirem este exemplo? Podemos ter esperança num futuro melhor na F1?
      Mas o canguru não vai conseguir competir com o Vettel, não… não tem braço pra isso.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: