O Fim de um Campeonato intenso que já Tem um Gênio Coroado


Revista Speed, edição 2

Salve galera! Este post é especial, pois estou reproduzindo o artigo que escrevi para a Revista Speed. Esta foi a primeira vez que escrevi para uma publicação eletrônica. Aproveitar mais uma vez para agradecer o Diego Trindade pela oportunidade de estar escrevendo este texto e ao Paulo Alexandre Teixeira, que me indicou. Tomara que este seja um novo caminho para a divulgação do esporte a motor. (adaptando parte deste trecho do que foi publicado)

O artigo faz um balanço do campeonato, especialmente das três últimas corridas (Inglaterra, Alemanha e Hungria). Além disso, existem matérias muito boas, como a entrevista do EJ Viso, companheiro do Barrica e do Tony Kanaan na Indy, o novo sistema de proteção do cockpit, sobre a carreira de Didier Pironi, o WTCC no Brasil, entre outras coisas. Acessem aqui e boa leitura!

E para fechar, eis o artigo:

Sim, o campeonato de 2012 chegou a sua metade só agora, após a corrida da Alemanha. Tem ainda circuitos desafiadores, como Spa e Monza, mas o sinal é de que o certame está ganhando contornos de definição. E neste caso a briga pelo título está encaminhada a Fernando Alonso.

Uma das razões é que as equipes começaram a entender o funcionamento dos pneus Pirelli. A estratégia começa a ser melhor planejada e as equipes sabem que não adianta inventar muito que acabam com os carros se arrastando na reta final. Esse melhor entendimento representa, com isso, as disputas devem diminuir e as corridas devem ser mais “chatas” daqui até o fim da temporada, diminuindo a chance de surpresas.

E nesse ano, o que tem aparecido mais é o talento do piloto. As equipes estão niveladas e não há um carro que esteja muito acima. Com isso aquela peça entre o volante e o banco (como diria Ken Tyrrell) tem sido essencial na disputa. E não há no grid piloto no nível do espanhol.

O Príncipe das Astúrias mostrou nas corridas em Silverstone e Hockenheim, que é diferenciado ao conduzir o carro em momentos críticos. Nas classificações chuvosas, soube extrair o máximo do carro com o cuidado necessário. Só não ganhou na Inglaterra porque o composto mais macio não era o adequado naquela fase da corrida. Na Alemanha, o espanhol domou as ameaças de seus adversários. Na Hungria, onde não houve mudança no tempo, Alonso conformou-se com o quinto lugar, e agora assegura uma liderança confortável em um momento decisivo.

Claro que para isso, a Ferrari melhorou o seu bólido. O F2012 era tido como uma carroça no começo do ano e até a vitória na Malásia foi considerada mais um acaso pelas condições de chuva, mas os resultados do asturiano foram surgindo e até Felipe Massa começou a aparecer em posições melhores, como o quarto lugar na Grã-Bretanha.  Com isso,  Alonso entrou na condição de favorito.

Além disso, a sorte tem o ajudado. Sebastian Vettel, teoricamente o principal oponente, não foi além do terceiro lugar em Silverstone, teve uma controversa punição na sua terra natal e acabou em quarto em Hungaroring. O atual bicampeão está atrás de Mark Webber, vencedor no circuito inglês, mas que ficou duas vezes seguido em um apagado oitavo lugar.

Outra ameaça seria a McLaren, mas a má fase da equipe e dos pilotos deixou a situação muito complicada. Para quem indicava que será a favorita no começo do ano, os resultados foram piorando gradualmente e fazendo a equipe despencar na tabela de classificação. Jenson Button ainda teve o segundo lugar na Alemanha, na corrida que o MP4 27 trouxe novidades aerodinâmicas.

Já Lewis Hamilton somou apenas quatro pontos desde a vitória no Canadá até a corrida alemã. De quebra o campeão de 2008 está mais marcado pelo que faz fora do que dentro das pistas. Como a festinha em que foi e que irritou a sua namorada. No entanto, conseguiu uma vitória com todos os méritos em Budapeste e o fez recuperar parte do prejuízo. Um pouco tardio para a briga pelo campeonato, mas importante para sua moral.

No segundo escalão, encontra-se a Lotus. Aos poucos a esperanças da primeira vitória diminuem. O carro até que é bom, mas não tem sido o suficiente para chegar à frente.

Não é sempre que a equipe que se diz herdeira da escuderia de Colin Chapman acerta nas estratégias e os pilotos cometem algumas falhas. Kimi tem sido o velho estilo frio e calculista, sem demostrar muita motivação, mas vai beliscando um ou outro pódio. Por sua vez Romain Grosjean vem pecando pelos excessos. Uma rodada no Q2 na Inglaterra e uma série de escapadas na corrida germânica deixaram o francês longe de pontos graúdos nessas etapas.

Apesar disso, a equipe de Einstone voltou a apresentar um desempenho consistente no GP magiar, colocando os dois carros no pódio e com ambos ameaçando a vitória de Hamilton em alguns momentos. A possibilidade do time preto e dourado vencer está mais atrelada a fatos excepcionais. Mesmo assim, mostra força na briga pelo segundo lugar no Campeonato de Construtores.

Outra equipe que vem perdendo o fôlego é a Mercedes. O carro prateado não tem mostrado o mesmo desempenho do começo do ano. Especialmente a corrida na Hungria foi triste, onde só um ponto foi conquistado. Michael Schumacher conseguiu boas classificações,  mas não consegue manter o ritmo de prova. E Nico Rosberg não tem mais repetido as atuações do começo do ano.

Na briga pela sexta posição, a Sauber se consolida nessa posição, embora a Force India venha crescendo. Para a equipe suíça, o resultado da Alemanha, quarto de Kobayashi e sexto de Sergio Perez, foram perfeitos para as ambições da escuderia. A corrida inglesa foi prejudicada pela batida de Pastor Maldonado no mexicano, mas estes pontos em Hockenheim já deixam o carro alvinegro dentro das suas perspectivas, mesmo com o fraco fim de semana húngaro.

A trupe de Vijay Mallya conseguiu alguns bons resultados, principalmente em classificação, mas não conseguiu converter em pontos graúdos. O que lhe fez ficar atrás da Williams na tabela. Mesmo assim a dupla atual tem sido mais consistente que a do time de Grove.

A escuderia de Frank Williams teve altos e baixos nesse período. Muito por conta dos pilotos que estão no meio de confusões, mas tem se sustentado na briga. Todos os oito pontos da equipe nas três provas combinadas foram de Bruno Senna. Ele teve a corrida alemã arruinada por um toque na largada, mas fez boas exibições nas outras duas com um nono e um sétimo, respectivamente.

Já Maldonado vem sempre se envolvendo em confusões.  Na Inglaterra bateu em Sergio Perez, tirando o mexicano da corrida e acabou levando apenas uma multa. Em Hockenheim se comportou bem, mas não conseguiu um bom resultado e em Hungaroring, teve uma punição até injusta por botar Paul di Resta para fora, mas talvez o conjunto da obra tenha influenciado na decisão dos comissários. O venezuelano está sob mira dos críticos, que estão impiedosos com ele.

Para fechar, a Toro Rosso ainda tenta se acertar para somar mais do que os seis pontos atuais, enquanto a escola de pilotagem da Red Bull não tem emplacado um grande trabalho. Dentre as nanicas, a Caterham se aproximou da escuderia de Faenza, mas ainda não está apta para pontuar, enquanto Marussia e HRT brigam para ver quem não é a última.

 

Obrigado a todos por este momento, e teremos uma análise mais aprofundadas nos próximos dias. Abraço!

Publicado em agosto 11, 2012, em Automobilismo, F1 e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 9 Comentários.

  1. Essa revista ficou muito boa. Li inteira, com destaque para seu resumo da F1 2012 e também para o artigo sobre o Pironi, muito bom. Pulei o Viso, claro rsrsrs

  2. Euclides Palhafato (Perro de Cofap)

    Muito legal, salve o Carsola! Olha, preciso dizer –eu parei de ler, mas já voltei – quando falou que não há no grid piloto equiparado ao Alonso. Lewis pra mim não só está na mesma altura do ladrão basset, como é o que esteticamente ou tecnicamente prefiriria na minha equipA imaginária.
    Lewis não vai melhor porque Button é influente, além de conseguir tirar bastante segundinhos dos carros que dirige. Vez ou outra a equipe se preocupa mais com o pilotinho sapatilha de cristal, e Lewis acaba desamparado ou atrapalhado. Por exemplo, nessas corridas aí, diferença de uma volta em pitstop pode valer até 3 posições. Já na Ferrari, têm o Alonso…

    • Euclides Palhafato (Perro de Cofap)

      Alonso venceu 3 hamilton 2 webber duas. Acho que a tendencia de vencedores é essa mesma. Esses tres têm mais chances. Qqr um desses pode ser campeão, mas já to ligado que o Alonso vai ser. Não boto fé no Vettel pq acho que o Hamilton vai disparar agora. Só por isso.

  3. PROMOÇÃO! Um presente da Fufa para quem responder: “Porque o céu é azul?”:
    http://especiais.br.msn.com/downloads-da-semana/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: