Momentos Históricos – Uma corrida quase sem fim


Um pódio que quase não aconteceu

Amigos, venho contar a história de uma corrida de Fórmula 1, mas não uma história qualquer, foi a corrida que teve o final cinematográfico. A liderança desta corrida passou por diversas mãos e o vencedor foi definido por uma sucessão de eventos inacreditáveis. Est foi o Grande Prêmio de Mônaco de 1982!

O ambiente nas ruas de Monte Carlo não era dos melhores, pois era a primeira corrida que  a F1 fazia após o trágico fim de semana em Zolder, quando Gilles Villeneuve morrera em decorrência de um grave acidente na classificação. A Ferrari partia para o principado apenas com Didier Pironi, persona non-grata entre os fãs do canadense, depois de um entrevero entre os dois, quando o francês venceu o GP de San Marino, na corrida anterior à belga.

O carro mais rápido era o RE30B da Renault. O motor turbo fazia a equipe gaulesa sobrar nas pistas, mas era um carro que quebrava muito e deixava a dupla Alain Prost e René Arnoux na mão algumas vezes nesta temporada. Quem também sofria muito com quebras era Nelson Piquet, que usava um motor BMW que estreava na F1 naquele ano, mas que ainda dava muitos problemas a Bernie Ecclestone. Tanto que Riccardo Patrese usava o motor Ford naquela temporada (podia ser usado naquela época, antes do pacto de Concórdia)

A corrida tinha o limite de 20 carros no grid já que era uma restrição do circuito que perdurou até meados doa anos 80, com isso sobrou para bastante gente assistir a corrida pela TV como Raul Boesel e Chico Serra, Piquet foi o único brasileiro do grid, em 13º, enquanto Patrese era o segundo. A potência do motor não fazia diferença alguma por lá e o italiano aproveitou.

Mas na corrida, eram os carros alvi-amarelos que dominavam a prova, com Arnoux na frente e Prost completando a dobradinha, mas a sorte começou a mudar na volta 14, quando o pole-position e líder, rodou entre o S da Piscina e a Tabacaria, vendo a corrida ir pelos ares.

O professor assumiu a liderança e ficou bem sossegado, até as voltas finais. Alguns oponentes já estavam fora como a Brabham de Piquet, as McLaren de Niki Lauda e John Watson. a Alfa de Bruno Giacomelli e a Williams de Keke Rosberg, faltavam menos de tr~es voltas e nada parecia impedi-lo… Por enquanto.

E o professor dançou

O tempo em Mônaco estava carregado, mas não para uma chuva forte, foi no máximo uma leve garoa, mas foi o suficiente para Prost escorregar na saída da Chincane e parar no guard-rail. Era o começo do caos!

A liderança era de Riccardo Patrese, que buscava a primeira vitória na categoria, para mostrar ao patrão Bernie Ecclestone que mereceria a chance na equipe, mas lá foi o italiano se escorregar na Lowes, ou Curva da Antiga Estação,  enfim, a mais lenta da F1. Enquanto sua Brabham ficava parada, Didier Pironi assumia a liderança, mesmo com a Ferrari avariada, sem o bico e se arrastando.

Seria o completo anti-climax a vitória dele, depois da recordação do falecido ex-companheiro, mas a Ferrari poderia ver a vitória para o francês, mas à medida que ele iria se arrastando, todo mundo passava por ele e chegando ao túnel, a Ferrari 28 quebrava de vez. O piloto que estava atrás era Andrea de Cesaris.

Seria enfim a chance de redenção do desastrado piloto italiano e a chance de fazer o Ed mais alegre? seria, mas logo que a câmera foi localizar o carro dele, estava lá no Cassino, parado e sem ele dentro. E agora? Quem é o líder? Ninguém no circuito ou na frente da TV sabiam!

A câmera flagrou Derek Daly, correndo como piloto tampão, depois da aposentadoria de Carlos Reutemann, na Williams, estava parado na Rascasse, com o carro todo detonado, sem a asa traseira. Aparentemente, estava uma volta atrás, mas há muitos que garantem que ele era o líder. Naquele momento não dava para saber mais nada.

Aí surgiu Riccardo Patrese, cruzou a reta final, viu a bandeirada, mas não imaginava que tinha acabado de vencer o tradicional Grande Prêmio de Mônaco. Só soube que venceu depois que Pironi o cumprimentou quando deu carona para ele.

No pódio, ao lado do Príncipe Ranier e da Princesa Grace Kelly, estavam Patrese, Pironi, em segundo e De Cesaris, em terceiro. Nigel Mansell e Elio de Angelis levaram a instável Lotus para o quarto e o quinto lugar e Daly ainda salvou um pontinho naquela prova. Prost, mesmo fora 3 voltas atrás foi o sétimo. Foram classificados também Brian Henton, de Tyrrell, Marc Surer, de Arrows, e Michelle Alboreto, também de Tyrrell.

Desta turma, apenas Patrese, Mansell, De Angelis, Henton e Surer terminaram a corrida, e metado dos classificados ficaram fora. Um final absurdo que quase foi uma roleta russa. Eis o vídeo para quem tiver dúvidas do que ocorreu. Abraço!

Fonte: Blog do Capelli e F1 Nostalgia

Publicado em maio 22, 2012, em Automobilismo, F1, Momentos Históricos, Tunel do Tempo e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 20 Comentários.

  1. Triste constatar que me lembro bem dessa corrida. Estou ficando vetusto…

    Enfim, foi mesmo uma corrida HISTÓRICA!!!!!!!!

  2. adriano favetta

    realmente uma corrida impar…acompanhei ao vivo!

  3. O De Cesaris foi atrapalhado pelo Pironi e não ganhou a corrida… Aonde você estiver Pironi, no céu ou no inferno, eu vou te buscar e o matarei de novo pelo crime que você cometeu, atrapalhar a vitoria que mudaria a vida do mais injustiçado dos pilotos da F1!!! :mrgreen: 😈 👿

  4. Não lembro dessa corrida, mas também tem muita coisa que eu não conseguia assistir naqueles tempos, já que a nossa TV(PB) era a lâmpada – ou valvulada – e dava muito tilt. Só em meados dos 80 trocamos por uma TV transistorizada, mas ainda um dinossauro PB…

  5. É, o tempo pesa. 30 anos se passaram e eu já não me lembrava dessa confusão toda. E olha que eu já era beato de carteirinha. Mt oportuno o post. Espero que a próxima corrida reserve as mesmas emoções para o pissit da poltrona da minha casa. Abração a todos do buteko.

    • Tu tb assitiu ao vivo?

      Outro vetusto no F1SC!!!😮

      Muito bom saber que os “mais experientes” frequentam o nosso refinado e chique blog😀

      • Rapá, eu entrei na F1 junto com o Émerson.
        Eu vi o Moco correr (e chorei com a morte dele) naquele fatídico acidente de avião.
        Sou “viúva” duas vezes. snif, snif.

  6. Se rolar essa bagunça toda na proxima corrida, quem ganha eh o Petrov.

  7. Não sendo o mAlonso e sem esperanças de que seja o fuMassa, pode ser o Brunno Senna, tanto faz, menos o New Dick Vigarista.
    Ops!!! shucrute tb não.

  8. Eduardo Casola Filho

    Turma da F1 adora colocar inovações na pintura do capacete:

    Alonso vai de dourado outra vez: (A foto está na reportagem
    http://tazio.uol.com.br/noticia/alonso-em-monaco-sorte-decide-muito-mais-que-em-outras-pistas/

    Sergio Perez vai de Chapolin na cabeça. Sílvio Santos gostou disso…
    http://tazio.uol.com.br/blog/blog-redacao/perez-homenageia-criador-de-chaves-e-chapolin-em-seu-capacete/

    E o Vergne vai colocar o Alesi num carro mais rápido que aquela carroça da Indy…
    http://tazio.uol.com.br/blog/blog-redacao/homenagem-de-jean-para-jean/

  9. Eduardo Casola Filho

    Mas a melhor homenagem de capacete sem dúvida foi a do Matias. Aliás, o piloto certo para fazê-lo!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: