Sobre pretos, brancos e coloridos.


Buenas, cabras!!!

Essa semana, como bem disse Marcelo Carneiro da Cunha, em sua coluna para o portal Terra (http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI5040418-EI8423,00-O+humano+e+o+antihumano+nos+humanos.html) a democracia foi atacada. E, para piorar, foi atacada por que deveria defendê-la.

Dois deputados federais, de duas das cidades mais importantes do país, proferiram opiniões totalmente contrárias aos preceitos estabelecidos no artigo 5º da nossa Constituição Federal que trata dos direitos fundamentais dos seres humanos. Um verdadeiro ato terrorista!

O meu nome é (D)Jair, fácil de confundir com João do Caminhão!

O primeiro e mais polêmico caso foi a tão comentada entrevista concedida pelo Deputado Federal pelo Estado do Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro, ao humorístico CQC.

Não é a primeira vez que Bolsonaro defeca verbalmente ao dar sua opinião sobre negros e homossexuais. Só que em tempos de twitter e ficha limpa, aquilo que era abafado e logo esquecido, tomou grandes dimensões, coisa que ele não esperava. Ao defender-se, disse que tinha entendido homossexual no lugar de mulher negra! Realmente são expressões bem parecidas! O mais triste de tudo é ver que muita gente, em nome da liberdade de expressão, defende esse sujeito, como se nada tivesse feito. Isso não é liberdade de expressão. Isso é crime e quem o defende tão criminoso quanto!

O segundo caso foi uma infeliz opinião de um fanático religioso, Deputado Federal por São Paulo, Marco Feliciano, político inexpressivo nacionalmente mas que, pasmem, obteve 211 mil votos nas últimas eleições naquele Estado. O energúmeno em questão escolheu o twitter para dizer que “os africanos descendem de um ancestral amaldiçoado”. Assim como Bolsonaro, depois da merda feita, tentou corrigir o feito – “Não é racismo. É uma questão teológica!” Resultado: cagou e limpou a bunda com canjica! (Leia em: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2011/03/31/deputado-diz-que-africano-e-uma-maldicao-nao-nao-somos-racistas/)

Vejamos o que diz a lei:

A Constituição de 1988, em seu art. 5º – inc. XLII, passou a considerar a prática do racismo como crime inafiançável e imprescritível, isto é, não perece no tempo.

O artigo 20 da lei 7.716/89 diz que “praticar, induzir ou incitar, pelos meios de comunicação social ou por publicação de qualquer natureza, a discriminação ou preconceito de raça, cor, religião, etnia ou procedência nacional” terá pena de reclusão de 2 a 5 anos. Quer dizer, cometeu o crime, deveria ser preso, sem conversinha de regime aberto ou semi-aberto. Para que serve a referida lei se ela não está sendo cumprida? Onde está o Ministério Público?

Quem me conhece um pouco sabe como defendo o Brasil e me dói bastante dizer isso: infelizmente vivemos em um país que engatinha em termos de ética. Pessoas eleitas democraticamente são flagradas em um delito inafiançável e imprescritível e estão aí, livres para continuarem difundindo suas visões distorcidas do mundo. Quem deveria legislar e fiscalizar a aplicação das leis, simplesmente as ignora em nome de valores… valores???

A coisa é tão grave que nem a imunidade parlamentar salvaria estes elementos. E por quê ainda estão soltos? Boa pergunta!

Esse texto tem por finalidade não deixarmos a história esfriar. Não deixemos a peteca cair. Afinal é nossa culpa por sermos tão tolerantes com coisas intoleráveis. É nossa culpa por sermos tão egoístas.

PS: Por ser o tema extremamente polêmico, o blog se reservá ao direito de apagar toda e qualquer opinião ofensiva a qualquer ser humano, independentemente de cor, opção religiosa ou sexual e banir, definitivamente, aqueles que insistirem por esse caminho. Esteja claro que o texto não está direcionado aos religiosos, defensores da família, da liberdade de imprensa e opinião, e sim àqueles que usam tais argumentos e instrumentos como armas contra outros seres humanos.

Publicado em abril 2, 2011, em Diretoria e marcado como , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 29 Comentários.

  1. Senna Simply The Best

    Isto inclui os comentários sobre o Rosberg?

  2. Tema espinhoso, escorregadio, dúbio e perigoso, embora fascinante, distinto Raimundo Nonato.
    Somos uma espécie animal de rápida evolução – em comparação com outras espécies – e como tal, a curva da nossa evolução é uma ‘curva reta’, ou ‘reta curva’, como aquela de Mônaco e outras tantas similares. Portanto, nosso caminho foi ‘atalhado’ e à medida em que, em grupo, supostamente vamos nos tornando uma ‘supercivilização’, mais rapidamente desenvolvemos nossas aptidões.
    A questão é que ainda somos animais, temos instintos e a predominância dessa essência primitiva, ou primata, está profundamente enraizada na nossa ‘central de comando’ , influenciando diretamente no nosso mode de agir e pensar.
    Todos os instintos podem se resumir num só: sobrevivência. Se nos seres irracionais que não possuem plena consciência da morte esse instinto norteia suas ações, imagine a força dessa ciência no único animal que sabe que um dia deixará de existir.
    Eu vejo da seguinte forma, para não me estender demais: o racista, o fanático, o homofóbico, o ladrão, o assassino, o bom moço, o covarde, o puxa-saco, o herói, o pai, a mãe, o violento, o político, o corrupto, o degenerado, o vilão, etc., etc., etc., é ‘homem’ (ambos os gêneros). Sendo homem, deve antes ser compreendido do ponto de vista antropológico. O rigor da lei deve ser aplicado encima dos erros cometidos e, claro, não concordo com as declarações desses homens públicos que deveriam ser formadores de opinião. Porém, entre homens públicos ou não, o Brasil é fraquíssimos em matéria de formadores de opinião, porque estes, sempre querendo atalhar pelos caminhos ‘reticurvos’ da vida, estão mais preocupados em sobreviver do que em transmitir seu conhecimento. E quando falo em formadores de opinião, vocês sabem que esse termo é bem abrangente e remete a uma enorme quantidade de camadas da sociedade, quase nunca tendo como base o poder econômico e sim a profundidade do alcance sócio-cultural.
    Justamente por essa falha, a sociedade brasileira tem escorregado até na elaboração das leis, ou na evolução das mesmas. Não concordo, portanto, que sejamos meramente legalistas na hora de julgar energúmenos. A coisa é bem mais profunda que isso.
    Mas você sabe disso e, como você sempre diz, tudo isso pode ser resolvido – e mitigado – democraticamente; não obstante levará muito tempo ainda.
    Parabéns pelo post.

    • e’ isso ai’ que o presidente escreveu acima.

    • É isso que eu vinha dizendo algumas vezes em alguns posts políticos do Mike. Estamos mais preocupados com a sobrevivência individual do que a coletiva. Isso também afeta quem faz as leis, pois o mesmo não quer sofrer as consequências de seus atos. Ninguém é perfeito e, pelo que vejo de nosso mundo, menos de 0,1% da população vai para o que todos chamam de “céu”.

      Não bastasse isso, a lei do racismo é extremamente mal executada. Pois fazem muito caso de quem fala que preto (sim, preto, pois não chamamos os brancos de “claros”) é inferior, ou que homossexual é errado, mas quando chamam um branco de alemão ou de fantasma ou de leite, este não tem o direito de reclamar, pois é um apelido “carinhoso” e se reclamar, é uma “bichinha”.

      Mas no fim das contas ninguém tá nem aí. Só querem seu dinheiro e sua diversão, seja ela qual for. Até quando?

      • Motta, ninguém é preso por chamar o outro de preto.
        Usar esse argumento de que quando chama branco de alemão não é crime beira o ridículo.
        Quando você tem uma minoria dos negros nas universidades, nos cargos públicos, nos cargos gerenciais e apenas nos cárceres eles serem maioria é o suficiente para mostrar a distinção: ser BRANCO é ser valorizado, respeitado. Ser PRETO é estar sujeito a todo o tipo de disparidade.
        Esse tipo de afirmação não serve de argumento para nenhum tipo de discussão, apenas é uma justificativa vil para que os BRANCOS possam ofender os NEGROS.
        A carta de direitos humanos da ONU, assim como a Constituição Federal diz: todos são iguais perante a lei. No entanto os iguais devem ser tratados igualmente e os desiguais, desigualmente.
        Se as proporções que citei acima fossem meio a meio, pode ter certeza de que não haveria leis para punir segregação racial.

        • Então com branco não é crime, mas com preto é?

          Se a lei vale para um lado, vale para o outro, isso não tem nada a ver com um ser socialmente e historicamente mais beneficiado que o outro. Se continuarmos fazendo diferença, ela não vai deixar de existir.

          O que isso tem a ver com a minoria de pretos nas escolas? Nada. Racismo/preconceito é uma coisa, desigualdade social é outra. A lei do racismo não é a mesma que da oportunidades para pretos nas universidades, você está misturando as coisas.

          E em nenhum momento eu não disse que quem fez esse tipo de racismo não deve ser punido, sequer fiz comentário algum sobre cotas de universidades. Eu disse que a lei TEM que valer pra QUALQUER tipo de racismo, INCLUSIVE com pretos, brancos, japoneses, gordos, magros ou qualquer diferença física ou social. Pois somos todos IGUAIS perante a lei.

          Pra terminar, procure no dicionário o significado de preto, negro, branco e claro. Preto e branco são cores e não fazem alusão a qualidade alguma. Negro e claro já são associados a qualidades.
          Quem não se lembra de “venha para o lado negro da força”?

          Enfim, em nenhum momento quis dizer que negro/preto/branco/qualquer etnia é inferior. Somos todos IGUAIS e as leis devem ser iguais para todos. Se hoje temos uma desigualdade com os pretos, que façam leis que corrijam isso, mas, acima de tudo, que deem oportunidades IGUAIS para todos. Isso que é JUSTIÇA.

          • 1 – Tem certeza que racismo e preconceito é uma coisa e desigualdade social é outra?
            2 – Você algum dia viu alguém ser preso por ter chamado o outro de Preto? Ele só chamou de Preto ou veio outro adjetivo depreciativo junto?
            3 – Você tem notícias de algum grupo extremista negro, aqui no Brasil, que fica batendo em brancos, homossexuais e mendigos nas ruas?
            4 – Em algum momento foi dito que você foi preconceituoso ou que você chamou alguém de inferior?

            Um abraço.

    • “Não concordo, portanto, que sejamos meramente legalistas na hora de julgar energúmenos.”

      Bidart, quando o dito energúmeno é um analfabeto, ou um adolescente na puberdade, por exemplo, realmente devemos abranger a discussão envolvendo antropologia e legalidade. Porém estamos falando de homens públicos, um deles, inclusive, no sexto mandato eletivo. Será que em 24 anos de legislatura esse infeliz não sabe o que é um Estado Democrático de Direito? Ele não lê a constituição antes de propor uma lei?
      Antropologia não é coercitiva, bixo. Ser extremista em nenhum sentido é bom, mas nesse caso, a análise deveria ser pura e simplesmente legal.

      • Você será um futuro brilhante advogado, isso eu tenho certeza. Mas permita-me discordar da natureza das leis que irás defender.
        Com excessão das universidades federais e algumas particulares mais renomadas, as décadas de governo militar e boa parte dos anos que se seguiram marcaram um ‘pequeno’ detalhe dentro das grades da maioria dos cursos de Direito espalhados pelo Brasil. Faltava uma matéria fundamental, no meu humilde modo de ver: Filosofia do Direito.
        Diga-se de passagem que a oferta de tão fundamental matéria sempre foi uma opção de cada universidade, de acordo com a profundidade metodológica do curso que defendia, mais coerência do que obrigação.
        Porque?
        Vou deixar que Paulo Nader, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora e autor do excelente livro “Filosofia do Direito” (1999), responda por mim:
        “Ciência jurídica de estirpe nobre, a Filosofia do Direito é uma lacuna no atual currículo mínimo dos cursos jurídicos do nosso país. A lamentável omissão, sentida na Resolução nº3, de 2 de fevereiro de 1972, do Conselho Federal de Educação, decorre, em parte, de uma visão codicista subordinante, acrescida do equívoco de se considerar a Filosofia do Direito como disciplina de coroamento ou de complementação de cultura. Tal pensamento deve ser revisto, principalmente quando se constata e se alardeia a penúria cultural que medra em nossos pretórios.
        Em realidade a ciência ‘altior’ do Direito é indispensável à iniciação, ao desenvolvimento e ao aprofundamento do saber jurídico. À’ iniciação’, porque a disciplina é responsável pela elaboração do conceito do Direito e abordagem de temas satélites, de cuja compreensão depende o raciocínio jurídico; ao ‘desenvolvimento’, pois que a assimilação dos institutos jurídicos não pode dispensar a apreciação crítica, sob pena de subserviência ao dogmatismo positivista; ao ‘aprofundamento’ de vez que o jurista não deve fixar-se na dimensão imediatista da lei, mas perquirir sempre, na reflexão metódica, a razão última das normas jurídicas e a sua conexão com a ordem natural das coisas.”

        Precisa dizer algo mais?

        Basta afirmar que, por força da Portaria nº 1.886, de 30 de dezembro de 1994, do Ministério da Educação e do Desporto (na época), a Filosofia do Direito readquiriu seu caráter obrigatório, “(…)fazendo renascer a esperança de que as nossas Casas de Jurisprudência substituirão, doravante, o culto dogmático da lei pelo estudo reflexivo e crítico das instituições jurídicas.”

        É o que fazemos aqui, refletimos sobre um episódio. Quando digo que não devemos ser 100% legalistas com respeito aos episódios citados no post, afirmo que a verdade não reside na lei e sim na essência das coisas, ‘coisas’ estas que constituem aspectos da realidade muito mais amplos que a simples semântica das palavras proferidas por um energúmeno eleito por energúmenos.
        A que me refiro com toda essa retórica perfeitamente contestável? Bueno, será que não cabe perguntarmo-nos, sob uma ótica completamente diferente, se não caberia elaborar uma lei que puna eleito e eleitores? Caberia algo assim no nosso mundo?
        Fica o questionamento.

  3. Eduardo Casola Filho

    Infelizmente foi a gente que colocou esses caras no poder. Houve muita crítica para quem votou no Tiririca, mas não foi o suficiente para tirar esses babacas de lá. Prefiro mil vezes votar no palhaçõ (não votei nele , diga-se de passagem) do que nesses demônios.

  4. Só agora li os textos dos links. Sobre o Marcelo C. da Cunha, não tenho muito para dizer além de que é panfletário e equivocado em muitas definições. No caso do cara que critica o deputado pastor, parto do princípio de que misturar política com religião já é um erro em si mesmo e, por conseguinte, o pastor deputado também é. Os papas do passado que o digam.

  5. Se botarmos o Bolsonaro num quarto escuro junto com meu amigo Tomé, o tripé, ele vai mudar de opinião em relacão aos homosexuais…

  6. Pq o voto no Brasil é obrigatório?

    • Pra assegurar que quem não está contente com nada tenha que escolher alguém. É meio que um direito obrigatório, vai entender…

      Da mesma maneira, como podemos escolher vereadores e deputados, se os vemos por 30 segundos apenas, no horário eleitoral? Como podemos escolher algo assim?

  7. Cavaleiro que diz NI!

    Parabés pelo post. Não sei quem é, mas está evoluindo, cara. Eu realmente estou tão cansado de ver tantos problemas no Brasil que nem queria pensar muito sobre isso, apenas me revoltar e dizer “é a puta que os pariu, deputados!”. Mas vamos lá.
    No caso Rose-Berg é uma brincadeira politicamente incorreta, mas não odiamos o alemãozinho por isso, muito pelo contrário, torcemos muito por ele.
    PQP! Mataram um cara aqui em Salvador com trinta tiros! Que P. é essa?! Depois um mostro desses tem direitos humanos. Direitos Humanos para quem precisa, já! DH para as vítimas de toda essa violência verbal e física. Podemos denunciar essas coisas ao DH Internacional, pois o governo e sociedade brasileira de um modo em geral só fazem a “casa ficar limpa e bonita quando tem festa”, então devemos aproveitar as Olimpíadas e Copa do Mundo para denunciar e termos alguma chance de mudança, pois o governo e empresas não vãos querem ter prejuízos por atrair poucos turistas nesses eventos. Quem quer tomar tiros numa saída de estádio de futebol?

    Agora mesmo vi uma jornalista negra dizer que em Sampa não conseguia se realizar profissionalmente. Foi como reporter à NY e sentiu que tem leis boas e ruins, mas lá pode ter seus direitos preservados se lutar por eles, e não quis voltar mais. E olha que Sampa é o El Dorado do jornalismo nacional. Imagina a merda que é jornalismo na Bahia.

    Absurdo da Lei Rouanet: Maria Bethania tem todo o direito, a lei garante isso, mas ganhou 600 mil pilas dos nossos impostos para recitar poesias num blog. “Me faça uma garapa!”. Imagina a Fufa com esta grana! Enquanto isso: Eu fiz artes plásticas para ter um meio de sair do Brasil e viver do que gosto. Ganhei um prêmio de um website promovido por um ator de novelas da California e ativista do Human Rights. Fui convidado a expor na Florida e NY, mas não tive a grana para produzir e viajar. Mas vou tentar beber na mesma fonte que a MB… vamos ver se não-famoso consegue. Vocês podem ver minha arte aqui, Giuliano, em Category Cubism: http://www.americanartawards.com/images/AAA_2010_WINNERS_CAT._8_to_14.pdf

    Quanto aos deputados: ninguém é obrigado a gostar do outro, mas deve respeitar.

  8. Cavaleiro que diz NI!

    ExcRusiva! Perainda… ao contrário do ex-presidente, essa a gente já sabia. Agora o Bedeu vai “subir nas tamancas”.
    http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=28228628

  9. otimo post torcedor, sou carioca e fiquei “orgulhoso” de ver este tipo de declaraçao, nao consigo entender como uma cara como o bolsonaro consegue se eleger para qualquer coisa, na minha opiniao nem cargo de sindico ele se elegeria.

    • Cristiano Estolano

      Duda, ele é eleito pelos milicos… Assim como o Wagner Montes, pela galera da polícia…

      Quanto ao Bolsonaro, eu concordei com ele em apenas dois aspectos: no das cotas e de que a promiscuidade acaba com a família. Quanto ao resto, ele devia ser cassado pelo Conselho de Ética, já que crime de racismo é inafiançável.

  10. Eduardo Casola Filho

    Mudando de assunto, uma coisa legal para quem gosta de games de luta: As gravações originais da captação de movimentos do primeiro Mortal Kombat! Irado!

    http://www.techtudo.com.br/jogos/noticia/2011/04/captura-de-movimentos-do-primeiro-mortal-kombat.html

    • Essa nem é tão nova assim…alias, esqueci de incluir nas gotinhas de sexta…

    • Eu disse, ainda no finado FUK, que a equipe de Rally do Matias não ia ter budget para a destruição seriada de carros…😈

      • A equipe não era propriamente dele, era a equipe Citroen…Mas mesmo assim, haja grana.

        Alias, ouvi um buchicho de que a tal equipe da Nascar Truck que ele irá correr, é dele. Se ele comprou a equipe, ou se ele formou uma nova, isso não sei.

        O moleque se amarra em tudo que é bom. Esse sabe das coisas, grande Matias.

  11. Patrick Har Alves

    Será que kimi voltaria na f1 em 2012 pela redbull??? tendo em vista que o ueba acredito que esteja com o filme queimado com a redbull e kimi é ou era patrocinado no rali pela redbull???

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: